Polí­tica

Foto: Divulgação

O deputado estadual José Bonifácio (PR) repercutiu na tribuna da Assembleia Legislativa nesta quarta-feira, 10, a Operação Pronto Socorro que resultou na prisão de cinco pessoas acusadas de fraude num pregão da aquisição de materiais hospitalares. Ele falou especificadamente da prisão da ex-secretária Vanda Paiva. Segundo o deputado, tudo tem que ser aprovado com justiça e não com condenação antecipada.

Ele criticou a fiança de mais de R$ 1 mi para Vanda e o ex-secretário Executivo da Sesau, Gastão. “Nunca vi se estipular fiança de R$ 1 mi e tanto a um funcionário, nunca vi isso. Necessariamente terá que cair. A fiança não pode ter caráter extorsivo”, frisou. Segundo ele, a apreensão do passaporte já impediria a ex-secretária de sair do país.

O deputado chegou a ser vaiado por alguns servidores presentes e disse não ter medo de vaias. “ A justiça não é fazer ninguém ir para  a cadeia e sim fazer pagar pelo que cometeu”, disse.

Bonifácio disse ainda que tanto oposição como situação estão em obstrução. “ Queria dizer que quando o deputado não vota ele também está cumprindo seu trabalho parlamentar de obstruir. Este é o trabalho do parlamentar respaldado todos eles por alguns milhares de votos dados pelo cidadão tocantinense”, disse.

Ele chamou de pirotecnia e falou que é preciso ter cautela. “Algemaram uma mulher sem ter a culpa formada simplesmente por ser uma secretária? A verdade do contraditório é que vai dizer isso”, frisou.

O presidente da Casa, Osíres Damaso disse que ontem foi um dia triste. “ Vejo também essa ação de uma forma errada como agiram. Tinha que ter apurado os fatos primeiro até acho que ela pode ter culpa induzida por outros elementos mas não para adquirir patrimônio ou enriquecer ilicitamente”, frisou. Para ele, a prisão foi precipitada e que pode ter interesses políticos por trás. “Não quero acreditar mas é o comentário que tem. Uma pessoa como Vanda Paiva não ameaça ninguém”, disse ao afirmar que jamais vai concordar com pessoas que tem atitudes ilícitas.

Segundo ele, do jeito como os fatos foram conduzidos foi uma maneira de desmoralizar uma mãe de família e diz acreditar que ela é inocente.O deputado chegou a dizer que colocaria suas mãos nas mãos da ex-secretária por acreditar na inocência dela.