Esporte

Foto: Imagem/Facebook Narubia Werreria disse que essa é uma grande oportunidade para avançar Narubia Werreria disse que essa é uma grande oportunidade para avançar

Várias lideranças representando aldeias e etnias indígenas do Tocantins reclamam que não estão participando dos preparativos para os Jogos Mundiais Indígenas que acontecerão em setembro na capital Palmas. Uma das líderes, Narubia Werreria, disse ao Conexão Tocantins nesta sexta-feira, 23, que houve a promessa de participação de alguns indígenas na comissão porém isso não aconteceu até o momento.

“Queremos a participação de lideranças de todos os povos, precisamos saber quem está à frente das articulações, saber como elas estão acontecendo e quem esta fazendo essa ponte entre nós e a gestão, afinal não há ninguém melhor pra falar de nós do que nós mesmos”, disse  a líder.

Narubia frisou que os representantes querem saber ainda quais benefícios vão ficar para os povos do Estado com o evento. “Não queremos de cima pra baixo como se não pudéssemos falar por nós. Queremos saber dos benefícios que vão ficar para nossos povos e falar da nossa cultura. Para nós essa é uma grande oportunidade para avançar em algumas questões porque somos tratados com muito preconceito”, disse.

O grupo formado por mais de 10 líderes se reunirá na próxima semana para conversar sobre o assunto e tratar das providências que tomarão para garantir a participação mais direta no evento.

A Prefeitura de Palmas se manifestou sobre o assunto e informou uma série de esclarecimentos sobre o assunto. “O grande valor das comunidades indígenas do Tocantins e de suas lideranças, e sempre tendo a porta aberta para receber suas contribuições na forma de ideias e projetos, salientamos que as decisões relativas às questões indígenas, sua participação e envolvimento cabem ao ITC – Comitê Intertribal” informou o secretário extraordinário dos jogos, Hector Franco.

Veja a íntegra da nota do secretário:

Em contraponto ao questionamento formulado por este Portal, originado da entrevista realizada com representantes de etnias indígenas do Tocantins, a Secretaria Extraordinária dos Jogos Mundiais Indígenas Palmas 2015 tem a dizer:

1.Os Jogos Mundiais dos Povos Indígenas são uma idealização e realização do ITC – Comitê Intertribal, com apoio do Ministério do Esporte do Brasil e têm Palmas como cidade-sede;

2.Como cidade-sede, cabe à administração municipal, organizar a cidade para receber o evento, de acordo com os parâmetros estabelecidos na matriz de responsabilidades definida entre a cidade, o ITC e o Ministério do Esporte;

3. Segundo esta matriz de responsabilidades e o caderno de encargos estabelecido no contrato entre o ITC e Palmas, é de exclusiva atribuição do ITC a definição dos critérios esportivos e culturais e as relações institucionais com as comunidades indígenas brasileiras;

4. Este é, inclusive, um procedimento padrão dos grandes eventos, como Copa do Mundo e Olimpíadas, onde cabe à FIFA e ao COI respectivamente, a relação com os participantes e os critérios de competição.

 Isto exposto, reiteramos que a cidade de Palmas está, através da Secretaria Extraordinária dos Jogos Indígenas Palmas 2015 como órgão articulador e do conjunto de todas as secretarias municipais, desenvolvendo todos os esforços para cumprir a tarefa de receber um dos maiores eventos esportivios do mundo em 2015.

E que em sua criação, a Secretaria Extraordinária buscou formar seus quadros aproveitando profissionais já pertencentes à gestão municipal e do quadro de concursados, tendo uma estrutura enxuta e otimizada, visando o maior interesse público.

Ainda, reconhecendo o grande valor das comunidades indígenas do Tocantins e de suas lideranças, e sempre tendo a porta aberta para receber suas contribuições na forma de ideias e projetos, salientamos que as decisões relativas às questões indígenas, sua participação e envolvimento cabem ao ITC – Comitê Intertribal.