Educação

Foto: Divulgação

Com o início do ano letivo nesta segunda-feira, 2, mais de 164 mil estudantes de todo o Tocantins voltam às salas de aulas nas 530 escolas da rede estadual. A aula inaugural de 2015, que será realizada nesta manhã no Centro de Ensino Médio (CEM) de Taquaralto, marca o início de um novo ciclo escolar e representa o trabalho que já vem sendo realizado pela Secretaria de Estado da Educação (Seduc), desde o início de janeiro.

Assim que assumiu o comando da Pasta, no dia 5 de janeiro, o professor Adão Francisco de Oliveira, que fez parte da comissão de transição do Governo, continuou com o processo de conhecimento da situação institucional da Secretaria e o planejamento estratégico para a nova gestão da Educação tocantinense. As metas e objetivos para o setor foram discutidos durante a primeira reunião geral com o corpo técnico da instituição, realizada em 16 de janeiro.

Na ocasião, o secretário lapidou o que inicialmente eram conhecidos como 5 eixos de atuação, transformando-os em 6. Depois do deste primeiro encontro, ficaram definidos como principais focos de atuação a educação integral, formação de professores, implantação de escolas de referência – principalmente no campo, fortalecimento da gestão democrática, ascensão profissional por critérios técnicos e o currículo integrado.

Sobre o último critério, o professor Adão Francisco propôs uma reformulação curricular para a rede estadual de ensino. “Queremos que os alunos tenham acesso a possibilidades que geralmente não têm na escola. Por isso, a nossa prioridade é ofertar a educação integral. Esse é o nosso principal eixo de trabalho”, destacou.

A formação dos professores, também inserida no planejamento estratégico da Seduc, começou a ser definida durante encontro entre o chefe da Pasta e a reitora da Fundação Universidade do Tocantins (Unitins), Elisângela Glória Cardoso. Na ocasião, foi discutida uma parceria entre as duas instituições como forma de fortalecer a capacitação profissional dos docentes tocantinenses. “Vamos criar um grupo de trabalho para pensar todo o desenvolvimento do Estado. Temos que pensar este desenvolvimento através dos eixos econômico, social, cultural, educacional e político”, completou a reitora.

Outro eixo de atuação que começou a ser discutido foi a educação no campo. Um primeiro seminário foi realizado na sede da Seduc, com a participação de entidades ligadas ao setor, como o Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra (MST), o Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), a União dos Dirigentes Municipais da Educação (Undime) e representantes de comunidades quilombolas. “A educação no campo não é educação rural, tem que se pensar na prerrogativa das experiências das pessoas que vivem no campo”, explicou o secretário.

Repasse

Além disso, a Seduc iniciou, ainda em janeiro, o processo de pagamento dos repasses financeiros às escolas da rede estadual. Ao todo, foram liberados R$ 7,4 milhões, sendo R$ 3,1 milhões referentes ao Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb). Outros R$ 2,5 milhões são referentes à 1ª parcela de 2015 do transporte escolar e será encaminhado diretamente às prefeituras municipais. Já em relação ao Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), o valor a ser liberado para custeio da alimentação escolar é de R$ 1,8 milhão.

Segurança nas escolas

Um dos grandes desafios enfrentados por educadores e alunos, principalmente em centros mais desenvolvidos, a segurança nas escolas estaduais de Palmas foi debatida durante encontro entre representantes da Delegacia de Ensino da capital e a Polícia Militar. Durante a reunião, realizada no último dia 28, foram iniciados os estudos para a implantação de uma rede de cooperação entre as escolas e a PM, denominada de Rede Comunitária Escolar. “É importante a interação para que os servidores da escola conheçam as pessoas que fazem a ronda na região”, disse o comandante da 2ª Companhia da PM do Plano Diretor Sul, capitão Gleidison Antônio de Carvalho. (Ascom Seduc)