Campo

Foto: Pedro Barbosa

O ministro da Pesca e Aquicultura, Helder Barbalho, afirmou durante a visita do governador Marcelo Miranda ao Ministério, que o Tocantins pode ser um dos grandes destaques da Aquicultura no Brasil. A audiência marca o início de dezenas de outras reuniões a serem feitas até a próxima quinta-feira, 26, para tratar de assuntos de interesses para o Tocantins.

O ministro justificou sua afirmação destacando a decisão do governador Marcelo Miranda de percorrer os ministérios e, principalmente, de colocar o Estado “à disposição para adequar-se” à demanda de projetos federais. “Acima de tudo, pelo propósito de tomar as decisões estratégicas necessárias para viabilizar a implantação de Parques Aquícolas no reservatório do lago formado pela UHE Lajeado”, citou. Na opinião de Barbalho, isso é decisivo para que o Ministério olhe e possa ter no Tocantins uma ação prioritária, garantindo produção, emprego, renda e fazendo com a economia do Estado se fortaleça.

Para o governador, a expectativa do ministro só reforça sua responsabilidade com o crescimento no setor. “Estamos confiantes e esperamos poder fazer deste segmento um dos grandes impulsionadores da nossa economia, assim como já é com a produção de grãos, de carne e de leite”, frisou. Durante a reunião, Barbalho delegou à sua equipe atenção especial para as demandas apresentadas por Marcelo Miranda.

Secretários estaduais e deputados federais participaram da audiência com o ministro. Dentre eles, os secretários da Agricultura do Estado e do Município de Palmas, Clemente de Barros e Roberto Sayhum, respectivamente; secretário da Representação do Tocantins em Brasília, Renato Assunção, secretário da Comunicação Social, Rogério Silva; presidente da Agência de Ciência, Tecnologia e Inovação, George Brito; o presidente do Instituto de Terras do Tocantins (Itertins), Júlio César Machado; e os deputados federais Josi Nunes, Dulce Miranda, Carlos Gaguim, Lázaro Botelho e Cesar Hallum.

Aquicultura no Tocantins

O Tocantins está na 14ª posição em produção de pescado no ranking nacional do Ministério da Pesca e Aquicultura. Somente em 2014, foram produzidas 15 mil toneladas, aquecendo o mercado de pescado e movimentando R$ 180 milhões. O Estado tem registradas, atualmente, 36 colônias, seis mil pescadores e possui também quatro frigoríficos para abate de peixes, todos com autorização do Serviço de Inspeção Federal (SIF), que permite comercializar a produção.