Campo

Foto: Sandro Souza

Incentivar e fomentar a produção de mel no Estado com o intuito de gerar renda para a população é um dos objetivos do Governo do Estado por meio da Secretaria do Trabalho e da Assistência Social (Setas). O Projeto de Inclusão Produtiva Apicultura foi proposto inicialmente para 54 municípios do Estado, mas 12 deles ainda não receberam os equipamentos e estão sendo convidados pela atual gestão para retomarem a atividade.

Nesta terça-feira, 10, a coordenadora de inclusão produtiva, Mara Noleto, e sua equipe técnica reuniram-se com os presidentes de associações de Apicultores na sede da Setas em Palmas. Durante os atendimentos foram averiguadas a legalidade e disponibilidade das associações para que seja feito um termo de sessão de uso de kits apicultura com 18 equipamentos, entre eles, centrífugas, mesas, tanques de decantação, cilindros entre outros.

Segundo a coordenadora Mara das 12 associações convidadas para o atendimento oito compareceram e foram orientadas sobre os documentos necessários para firmar a parceria. Sobre a reunião a coordenadora completa: “Os apicultores demonstraram muito interesse em se profissionalizar e investir na produção de mel. A maioria deles produz apenas para o consumo e viram nessa parceria a possibilidade de crescer”.

Após o diagnóstico, a proposta da Setas é oferecer uma capacitação às associações interessadas em parceria com a Associação dos Ambientalistas e dos Apicultores de Miracema do Tocantins e Região (Apromir) e o Instituto de Desenvolvimento Rural do Tocantins (Ruraltins). A capacitação terá 40 horas e será realizada nos municípios contemplados.

A Apromir está entre as primeiras associações a serem contempladas, ainda em 2008, e segundo o membro Jacinto Fernandes o apoio do Governo do Estado foi fundamental para alavancar a atividade dos associados. “Na época muitos apicultores queriam trabalhar, mas não tinham como comprar os equipamentos. Com o incentivo nos evoluímos e hoje temos 18 associados e produzimos 10,5 toneladas de mel por ano”. comemora o apicultor.

Jacinto, que já trabalha a mais de 15 anos na produção de mel, acredita no potencial do Tocantins para a atividade e pontua os principais benefícios da apicultura: geração de renda, convivência pacífica com o meio ambiente e polenização. “Hoje o Estado não consegue produzir nem o suficiente para o consumo interno. A apicultura é um tesouro muito rico e próximo dos agricultores eles só precisam descobri-lo”. declara o apicultor.

O Tocantins produz atualmente 300 toneladas por ano de mel, os principais meios de escoar a produção são a venda direta ao consumidor, por meio de feiras, o programa federal Compra Direta Local e as prefeituras que compram o alimento para destiná-lo a merenda escolar.

Os municípios que poderão ser contemplados com os equipamentos de apicultura são Abreulândia, Aurora do Tocantins, Cachoeirinha, Cristalândia, Lizarda, Mateiros, Monte do Carmo, Novo Acordo, Piraquê, Recursolândia, São Félix do Tocantins e Taipas.