Economia

Foto: Divulgação

O capim dourado que é fruto de sustento ou complementa a renda de muitos tocantinenses, foi lembrado no programa de televisão apresentado por Fátima Bernardes - Encontro - na manhã desta segunda-feira, 06 de abril. Produto de artesanato, com o capim dourado é possível confeccionar brincos, pulseiras, bolsas, sandálias, entre muitos outros produtos. 

O ator e apresentador, Max Fercondini e a atriz Amanda Richter lembraram da viajem que realizaram durante 150 dias em um monomotor pelo Brasil. No Tocantins, eles conheceram de perto o mato dourado. Amanda disse ter ficado encantada com o capim dourado. "A colheita de capim dourado era até o dia 20 de novembro no Jalapão. Muito bonito. Tirar da terra um capim que brilha e vira coisas lindas", afirmou. Max reforçou que tinha muita vontade de conhecer o Jalapão.

A programação foi transformada numa séria chamada "Sobre as Asas"que será apresentada em oito episódios no programa de sábado - Como Será, - apresentado por Sandra Annenberg.

Celebração por colheita 

Nos dias 20 e 21 de setembro, a comunidade do Mumbuca e outras vilas quilombolas da região do Jalapão celebraram o início da colheita do capim dourado. Um marco para essas pessoas que sobrevivem do artesanato feito com a planta, principal produto da economia das vilas.

Todos os anos, a partir do dia 20 de setembro, segundo norma do Naturatins – Instituto Natureza do Tocantins, os artesãos saem para colher o capim, respeitando as regras vigentes desde 2007. Cada família colhe em média 30 quilos da planta por temporada, que dura até novembro.

A Festa da Colheita está em sua 5ª edição oficial, mas já é comemorada há vários anos na comunidade do Mumbuca, onde 54 famílias – cerca de 200 pessoas – colhem, armazenam e fabricam peças a partir do capim dourado. A colheita é realizada por homens, mulheres e até crianças, eles chegam a ficar mais de uma semana acampados no cerrado para colher.

Regulamentação da colheita

A colheita do capim dourado é realizada seguindo os parâmetros regulamentados pela portaria nº. 362, de maio de 2007, do Naturatins. O documento prevê medidas que padronizam a coleta e a manipulação do capim dourado, de modo que uma série de regras e cuidados sejam respeitados com o manejo sustentável. Apenas associados que possuam documentos expedidos pelo órgão ambiental podem colher a planta.