Polí­tica

Foto: Divulgação

O deputado Eduardo Siqueira Campos (PTB) voltou à tribuna da Assembleia Legislativa na sessão desta quinta-feira, 9, e ratificou seu pronunciamento realizado na sessão anterior em que atribuiu à deputada federal e primeira-dama, Dulce Miranda, os méritos pelo fim da greve da Polícia Civil em virtude de sua capacidade de interlocução entre Governo e a categoria envolvida.  

Eduardo reafirmou que seu pronunciamento teve caráter respeitoso e que não irá devolver o que chamou de  grosserias a ele atribuídas pela nota emitida pela assessoria da deputada Federal. O Deputado disse que não irá instalar no Parlamento “o quanto pior melhor”. “Mas não confundam educação com covardia”, disse.

Eduardo Siqueira ressaltou que conviveu com a alcunha de “Primeiro-ministro” durante o Governo Siqueira Campos e explicou que entre as funções do primeiro-ministro está a de exercer a diplomacia. “Se sua Excelência não está preparada para conviver com elogios quem dirá quando vierem as críticas”, disse.

Demonstrando-se surpreso com a reação da deputada Federal, Eduardo ressaltou que não deixará que essa reação interfira nos avanços obtidos pelo trabalho em conjunto entre as bancadas de Governo e Oposição na Assembleia Legislativa. “O dia de ontem foi extremamente produtivo nesta Casa. Começamos com a Comissão de Constituição e Justiça, tivemos sessões ordinárias e extraordinárias e realizamos a melhor audiência pública até então nesta Casa com a presença do Secretário de Planejamento”, afirmou Eduardo. O Parlamentar destacou ainda Emenda de Redação ao Projeto de Lei Complementar 01 assinada em conjunto com o líder do Governo, Paulo Mourão (PT).

Tanto o líder do Governo, quanto o deputado Valdemar Júnior (PSD), avalizaram as palavras e a intenção do discurso do deputado Eduardo Siqueira na sessão anterior.