Palmas

Foto: Divulgação

O Conselho Municipal de Trânsito começou uma série de reuniões para discutir o reajuste da tarifa de transporte coletivo da capital. Atualmente a chamada  tarifa de remuneração é de R$ 2,80 e a pública, custeada pela população, é de R$ 2,50. O Conselho, que é formado por 27 entidades de vários segmentos organizados da sociedade como Ministério Público, conselhos, estudantes e até motoristas,  tem a meta de discutir as alternativas com relação ao reajuste da  tarifa. Há três anos os passageiros não tem aumento.

O presidente do Seturb, José Antonio dos Santos Junior, o Toninho da Miracema, explicou ao Conexão Tocantins na manhã desta quarta-feira, 22, que o conselho definirá uma Câmara temática com um número menor de membros para analisar as propostas com relação à tarifa e depois no dia 4 de maio está marcada a reunião deliberativa com todo o conselho para definir e aprovar o novo cálculo tarifário. “A Câmara temática vai ter a tarefa de analisar o estudo apresentado com relação ao cálculo tarifário e o conselho é que vai deliberar as conclusões”, disse.

O Seturb apresentou uma proposta de R$ 3,17 para a nova tarifa. “Tivemos reajuste de combustível que subiu um absurdo teve até greve dos caminhoneiros e tudo automaticamente aumentou como o preço dos pneus, peças e tudo além disso temos o reajuste do salário dos funcionários no mês de maio e o aumento da frota”, afirmou.

Composição da tarifa

Segundo Toninho, a tarifa deve subir inclusive com os incentivos concedidos pela prefeitura e pelo Estado. O governo abriu mão do ICMS do combustível e a prefeitura do ISSQN. O impacto do benefício do Estado, segundo Toninho, é de 0,12 centavos na tarifa e da isenção do ISSQN é de 0,06 centavos. Além disto, atualmente  a prefeitura subsidia 0,12 centavos. “Sem esses benefícios importantes o custo seria ainda maior”, justifica.

O último reajuste da tarifa foi de R$ 2,50 para R$ 2,80 porém os 0,30 centavos não foram repassados para os passageiros.

A proposta da Prefeitura de Palmas é de R$ 3,13, segundo Toninho. Questionado sobre a diferença entre as propostas ele afirmou: “Quando apresentamos a proposta em dezembro do ano passado, quando somos obrigados a apresentar a planilha, pegamos os dados de 12 meses anteriores já a prefeitura calcula a planilha de janeiro até dezembro de 2014, por isso a diferença”, disse.

Segundo ele, para aumentar mais 10 ônibus, com o intuito de diminuir a lotação nos horários de pico, o custo é de até 0,10 centavos na tarifa. Atualmente são 220 onibus em circulação no transporte coletivo da capital.

O Secretário Municipal de Trânsito da capital, Cristian Zini foi procurado pelo Conexão Tocantins na manhã de hoje para comentar o assunto porém não atendeu as ligações.