Polí­tica

Foto: Divulgação

Em sessão especial na Câmara de Palmas nesta quarta-feira, 29, com a presença do secretário extraordinário dos Jogos Mundiais Indígenas, Hector Franco, os vereadores da Capital realizaram diversos questionamentos e destacaram preocupações sobre os jogos com data remarcada para novembro. Joel Borges disse estar preocupado com a venda de Palmas para o mundo e Adão Índio com a alimentação, hospedagem e transporte dos indígenas.

Hector fez explicações a início sobre a estrutura garantindo que tudo será garantido no tempo, sobre a quantidades de indígenas que participarão - sendo mais de dois mil; quantidade de países que sinalizaram participar - mais de 30; mascote, programação em TV, entre outros. Hector Franco disse que o prefeito de Palmas, Carlos Amastha (PP) fará anúncio de medidas no próximo dia 5 de maio quantos aos jogos. O secretário ainda informou que 80% das obras já estão concluídas e que os jogos resultarão em cerca de R$ 100 milhões na economia do Estado.

Partindo para os questionamentos, o vereador Joel Borges (PMDB) afirmou residir a preocupação com a “venda” de Palmas para o mundo. Segundo ele, deve ser reforçado o gancho para que Palmas seja “muito bem vendida”, afirmou. O parlamentar ainda salientou: “Ainda bem que o senhor aliviou que Palmas estará preparada para receber os jogos porque senão seria uma vergonha”, argumentou. Franco respondeu dizendo que é uma das principais tarefas tidas em relação aos jogos.

O vereador Adão Índio (PSL) disse estar preocupado e pediu esclarecimentos quanto ao transporte e alimentação dos indígenas levando em consideração as diferenças culturais. Franco frisou que a preocupação primeira é com os indígenas do Estado. “Faz parte da matriz de responsabilidade o transporte dos indígenas. Terão instalações e alimentação que respeite a questão calórica e questão de gosto cultural", garantiu. O secretário informou que os internacionais "quando chegarem no aeroporto de Palmas serão responsabilidade nossa", e acrescentou que serão alojados em escolas de tempo integral na Capital. 

Claudemir Portugal (PPS) disse que Palmas atinge um nível que não tem mais como retroceder e que agora é progresso. O vereador aproveitou para questionar a mobilidade e Hector Franco explicou que foi desenvolvido um projeto de mobilidade com linhas alternativas até os jogos, que a sinalização será aperfeiçoada e ainda que um aplicativo dará o roteiro com os horários do ônibus, entre outros. 

Etinho Nordeste (Pros) fez vários questionamentos, entre eles, sobre a disparidade no valor das passagens aéreas de Palmas para qualquer lugar do Brasil, qual o legado que Palmas terá com os jogos e ainda sobre quais segmentos receberão a maior parte do orçamento previsto para a economia do Estado e o secretário respondeu que já foram realizadas reuniões com algumas companhias aéreas, mas informou que o tema não é fácil pelo aspecto econômico do mercado aéreo brasileiro. Franco disse que o legado será moral e institucional e ainda que os segmentos da gastronomia, hotelaria, comércio e transporte serão os que mais serão beneficiados acrescentando que "todos os segmentos devem estar preparados para receber", disse. 

Após questionamento do vereador Lúcio Campelo (PR) quanto aos recursos para os jogos em Palmas, o secretário disse que elaborará um documento público com todos os recursos para que a Câmara de Palmas tenha conhecimento e adiantou que só do Governo Federal foi implantado através de convênio o valor de R$ 4,5 milhões para custeio de transporte, alimentação, higiene, hospedagem, entre outros.