Palmas

Foto: Arquivo CT Água acumulada na área da praça é um potencial foco da Dengue Água acumulada na área da praça é um potencial foco da Dengue
  • Área da praça mais se assemelha a uma várzea no centro da capital
  • Coruja parece zelar pelo destino da praça até o momento desdenhada
  • Coruja parece zelar pelo destino da praça até o momento desdenhada
  • Churrascaria sofre com a precariedade da infraestrutura ao seu redor
  • Com implantação do Estacionamento Rotativo pago, Avenida NS-4 sofre afunilamento de sua via decorrente dos veículos que passaram a utilizá-la para fugir das cobranças
  • Com implantação do Estacionamento Rotativo pago, Avenida NS-4 sofre afunilamento de sua via decorrente dos veículos que passaram a utilizá-la para fugir das cobranças

O espaço a menos de 100 metros do gabinete do prefeito de Palmas, Carlos Amastha (PP), na Quadra 104 Norte, antiga ACNE 01, no qual deveria estar uma praça, segundo projeto original do Plano Diretor de Palmas, tornou-se estacionamento para muitos veículos depois da implantação do Estacionamento Rotativo Pago na Capital e mais se parece um cenário de várzea. É possível constatar inúmeros veículos no local, em meio ao lodaçal que tomou conta do lugar e em calçadas nas ruas próximas da Avenida JK.

Da sala de reuniões do gabinete do prefeito Carlos Amastha, é possível visualizar a situação no espaço que deveria servir ao uso dos trabalhadores, consumidores e transeuntes palmenses que circulam pelo centro da capital, caso a praça saísse do papel para cumprir seu objetivo social e ambiental. Entretanto, o local assemelha-se mais a um lodaçal, prejudicando inclusive uma churrascaria nas proximidades, uma vez que a sujeira e acúmulos de água e detritos pode atrair além de mosquitos da Dengue, roedores, pista que é sugerida pela presença de predadores como uma coruja que flagramos vigiando a área. 

Após a concessão para a implantação do Estacionamento Pago nas áreas públicas do centro de Palmas que é motivo de inúmeras reclamações de vereadores, deputados, comerciantes e cidadãos em geral, muitos condutores deixaram de estacionar seus veículos de acordo com a regulamentação da Prefeitura de Palmas e preferem sair em busca de outros locais para que não gastem com as tarifas cobradas pela empresa que explora os estacionamentos públicos. 

A empresa exploradora do sistema cobra taxas a partir de R$ 1,00 para cada meia hora de estacionamento e não tem nenhum tempo de tolerância para quem quer, por exemplo, apenas fazer um orçamento rápido num comércio da região ou sacar um dinheiro na rede bancária. Os comerciantes já realizaram, inclusive, manifestação pedindo mudanças no projeto por sentirem-se os mais prejudicados e argumentam que depois da implantação do sistema de cobrança os clientes fugiram de suas portas. 

Nesta última segunda-feira, 4, aconteceu na Assembleia Legislativa do Tocantins uma audiência pública entre comerciantes do centro da capital e deputados para discutir o estacionamento.  Na audiência questionou-se inclusive a precariedade do sistema implantado, no tocante à possibilidade de auditoria do faturamento da empresa exploradora, já que esta, pelo contrato de concessão, deve repassar 7% do faturamento à Prefeitura de Palmas.  

Sob a vista do prefeito

Com a implantação do Estacionamento Rotativo em Palmas também aumentou, sob a vista do prefeito, os problemas ocasionados no que diz respeito aos veículos que estacionam em uma das três faixas de fluxo do trânsito nas avenidas centrais próximas à prefeitura; tudo isto para evitar o pagamento da tarifa de estacionamento. Na avenida NS-4, por exemplo, via onde fica localizado o Ministério Público Federal, veículos são estacionados como mostram imagens, afunilando a via. 

Posicionamento da Prefeitura

Consultada pelo Conexão Tocantins, a Secretaria Municipal de Acessibilidade, Mobilidade, Trânsito e Transporte da Prefeitura de Palmas esclareceu que na área pública será construído pela empresa concessionária que explora o estacionamento rotativo, como parte das obras de benfeitorias, um espaço para comercialização de chambari. No local como ainda não tem nenhum tipo de infraestrutura, segundo a Secretaria, os veículos não podem ser multados. 

Ainda segundo a Secretaria, no tocante aos veículos que estacionam na Avenida NS-4, nas vias em que não há placas proibitivas para estacionar e nem sinalização horizontal, como faixa amarela, os carros podem ser estacionados, desde que o motorista respeite a legislação de trânsito quanto a distância correta antes e depois da rotatória e paradas de ônibus.