Opinião

Foto: Divulgação

Estamos vivendo em um momento/cultura que vem dos gestores em que tudo que se faz, tudo que se produz, tudo que se movimenta tem que ser taxado. Pagamos IPVA caro mas temos que pagar pedágio. Se tem aumento de combustível, os postos da capital nos cobram acima da média. Se aumenta o IPTU, o mesmo vem de forma abusiva. Se você tira um extrato do banco, aparece um monte de taxas que se quer temos conhecimento do que realmente se trata. Se vamos ao cartório são centenas de taxas que todo ano sofrem reajustes acima da média da inflação. Água e energia idem. 

Na nossa cidade, um dos exemplos mais claros que estamos aos poucos sendo extorquidos é o caso do estacionamento rotativo que foi implantado. Se saímos de casa, com nossos carros que por acaso já pagamos os mais caros impostos veicular do mundo, ao estacionar você é cobrado em plena via pública. Olha que contradição! a prefeitura alegava que na Avenida JK era quase impossível estacionar e para piorar a mesma se instala num lugar comercial e não administrativo, agravando ainda mais a situação. Daí introduz um sistema de cobrança de estacionamento rotativo em que se quer o condutor tem o direito de ter ao menos uma tolerância de 15 a 20 minutos, sendo que até nos estacionamentos de shoppings center pelo País afora essa medida é adotada. 

Se antes você não quisesse aguardar surgir uma vaga, bastava ir alguns metros nas ruas paralelas que você a encontrava. Agora é quase impossível, por que os estacionamentos sempre tem vaga disponível, porém agora você é obrigado a andar km de distância se quiser estacionar sem ser extorquido de forma legal. E o mais incrível é que em lugares que sempre existiam vagas, agora o que se vê ainda mais é um imenso vazio no estacionamento. 

Estão cobrando até onde não havia necessidade nenhuma! E não adianta mais estacionar nas ruas laterais, por que a prefeitura instalou placas de proibido estacionar em boa parte dessas vias, exceto onde ainda não é feita essa cobrança. Resumindo, onde ainda não existe a cobrança, o condutor pode estacionar nas avenidas paralelas e onde  existe a cobrança se você estacionar nas vias paralelas aos estacionamentos pagos você é multado pela prefeitura. Ou seja, ou você estaciona e paga pra a empresa contratada ou vai ter que rodar muito, gastar mais combustível pra driblar essa cobrança ou como disse certa vez um deputado “vai ter que ir para a baixa da égua!”. E detalhe, se você estacionar, pagar a taxa mínima, e se quiser retornar novamente pouco tempo depois, você paga tudo de novo...sem que haja controle de tempo, etc. 

Como cidadão eu me pergunto, qual é a finalidade desse sistema? arrecadar ou democratizar as vagas? Se somarmos um monte de impostos que já pagamos e a crescente inflação que já nos retira nosso poder de compras, pode ter certeza que isso vai impactar ainda mais no bolso do usuário e a tendência é que essa cobrança de estacionamento só tende a crescer. Quem não se lembra quanto custava para estacionar no Capim Dourado Shopping? E quanto custa agora? Se o intuito da empresa contratada através da prefeitura é o de abranger cerca de 10 mil vagas, imagina se cada vaga render cerca de R$ 4,00 reais por dia? serão quase um milhão arrecadados por mês de forma fácil e “honesta”. E pasmem, a prefeitura só leva desse montante cerca de 7% e lembrando que a única contrapartida da empresa contratada é demarcar as vagas e contratar os “flanelinhas” regularizados para operarem o esquema legal de cobrança, e esses por sua vez trabalham de forma insalubre debaixo de sol/chuva...nem quero imaginar como é que essa turma faz quando quer ir ao banheiro... E o lema é o seguinte, parou pagou! achou ruim? ande alguns km que talvez consiga achar vagas. 

Cadê nossos vereadores para nos ajudar? Ah! Agora me lembrei que a maioria esmagadora está com o prefeito... Fica o questionamento: pergunta para os comerciantes e usuários se eles estão satisfeitos? Cadê o respeito ao cidadão que já não aguenta mais ser extorquido? Se as coisas continuarem como estão, um dia a sociedade vai se conscientizar e o barril de pólvora vai explodir...por enquanto se correr o bicho pega, se ficar o bicho come...

*Beto Monteiro é fotógrafo, professor e ambientalista