Polí­tica

Foto: Clayton Cristus

O deputado estadual Eduardo Siqueira Campos (PTB) apresentou requerimento em regime de urgência, nesta terça-feira, 12, que solicita aos parlamentares federais do Tocantins a destinação de emendas parlamentares, visando a construção, implantação e funcionamento do Hospital de Urgência e Emergência de Palmas. O Parlamentar também ocupou a tribuna da Assembleia para apresentar as justificativas ao seu requerimento.

Eduardo Siqueira destacou que umas das atividades mais importantes do Parlamento é a elaboração de Lei Orçamentária e, que enquanto coordenador da bancada federal do Tocantins, junto com os demais integrantes da bancada, destinou recursos para construção da Ferrovia Norte-Sul, da Eclusa do Lajeado, construção de rodovias federais e também das travessias urbanas das cidades às margens da BR-153.

Agora, segundo o Parlamentar, é o momento de o Governo Federal destinar recursos para a Capital, principalmente para a construção do Hospital de Urgência e Emergência de Palmas. “Sem a ajuda dos Senhores Senadores do Estado e dos Senhores Deputados Federais pelo Tocantins, mais difícil ainda se torna essa empreitada”, justificou.

Eduardo disse também que o Hospital de Urgência e Emergência de Palmas não atenderá somente a demanda da Capital, mas toda a região e alertou para o elevado número de acidentes de trânsito que geram ainda mais necessidades de atendimentos. “Mais de 60% dos atendimentos do Hospital Geral de Palmas são de vítimas de acidentes de trânsito e que sobrecarregam o HGP”, afirmou.

Polêmica

Ainda em seu pronunciamento, Eduardo Siqueira afirmou que estuda apresentar um projeto que pode gerar polêmica. O deputado disse que vai propor à Assembleia Legislativa que institua um seguro especial no momento da venda de motocicletas. Este seguro seria para cobrir todas as despesas de tratamento para vítimas de acidentes com motocicletas. Eduardo afirmou que ao adquirir uma motocicleta o cidadão observa apenas os custos e praticidade de sua utilização, mas não mede os riscos aos quais se submete. “São muitas as pessoas que hoje estão no HGP aguardando uma cirurgia ortopédica e até esperando para ter implantado uma órtese ou prótese”, disse.