Educação

Foto: Divulgação

O Sindicato dos Servidores Públicos em Educação do Tocantins (Sintet) confirmou ao Conexão Tocantins na manhã desta sexta-feira, 05 de junho, o início da greve dos educadores do Estado por tempo indeterminado. Segundo o Sindicato, hoje serão realizadas visitas nas escolas para conversações com o objetivo de adesão de 100% da categoria na paralisação.  

O Sintet informou que muitos servidores contratados resistem em paralisar seus serviços. “Temos muitas escolas que grande parte é contrato e tem uma intimidação para não quererem (os professores) parar. Diretores de escolas acabam por intimidar os trabalhadores a não aderirem a greve”, informou o Sintet.

Aconteceu na última quarta-feira, 3, uma reunião com todos os presidentes regionais do Sindicato para tomada de decisões quanto a greve. Segundo o Sintet, além de mobilizações nas escolas para adesão a paralisação, ficou decidido que a partir da próxima quarta-feira serão realizados atos públicos, manifestações em praças e escolas. 

O Sintet ainda informou ao Conexão Tocantins que na segunda-feira, 08 de junho, será feito um levantamento para saber quantas escolas estão em estado de greve. 

Reivindicações 

Entre as reivindicações, a categoria cobra o realinhamento e pagamento das progressões atrasadas desde 2013, pagamento da data-base e aumento salarial. Segundo o presidente do Sintet, José Roque, são mais de 16.500 professores do Estado. De acordo com o Sindicato, hoje a média salarial dos professores da educação básica é de R$ 3.600,00 e das demais categorias a média ultrapassa R$ 8.000,00. “É preciso reconhecimento e valorização dos profissionais. O próprio Plano Nacional da Educação prevê a recuperação salarial dos professores, para que alcance até 2022 a média das demais categorias de trabalhadores. O governo precisa começar agora a recompor nossos salários para não aumentar esse déficit elevado”, defende o presidente do Sintet, José Roque.

Seduc

A Secretaria Estadual de Educação (Seduc), informou ao Conexão Tocantins que mantém o diálogo aberto com os trabalhadores da educação tocantinense, e que as negociações estão sendo feitas pela Comissão de Análise de Impacto de Pessoal sobre os recursos financeiros do Estado, em conjunto com outras categorias de servidores públicos estaduais.

Com relação à greve, a Seduc informou que, por conta do ponto facultativo nas escolas, ainda não é possível avaliar o impacto na rede estadual, mas que as possíveis aulas perdidas serão repostas conforme calendário a ser elaborado por cada escola. (Matéria atualizada às 13h06min)