Educação

Foto: Divulgação

A semana começa com mobilização do Sindicato dos Trabalhadores da educação – Sintet, para que todas as escolas paralisem as atividades. O Sindicato encabeça movimentação e pretende ampliar a paralisação para o interior. Em entrevista ao Conexão Tocantins nesta segunda-feira, 8, o presidente José Roque disse que a intenção é adesão 100% da categoria. As principais reivindicações são o pagamento da data-base, progressões e outras demandas da categoria.

“Estamos parando as escolas, agora mesmo estou aqui na Escola Tiradentes conversando com a companheirada para conseguir a adesão”, disse. Diretores do Sintet estão se dividindo no interior para conversar com os professores e servidores da educação. “Nossos diretores estão tentando convencer os servidores para fortalecer o movimento e depois disso faremos um ato público na secretaria e no Palácio em prol das reivindicações”, disse.

Incluindo as conveniadas são 548 escolas estaduais atualmente e o Sindicato tenta conseguir parar maioria, porém, ainda não tem um levantamento de quantas vão paralisar.

A Secretaria Estadual de Educação (Seduc), já informou ao Conexão Tocantins que mantém o diálogo aberto com os trabalhadores da educação tocantinense, e que as negociações estão sendo feitas pela Comissão de Análise de Impacto de Pessoal sobre os recursos financeiros do Estado, em conjunto com outras categorias de servidores públicos estaduais.

Data-base

O governo e sindicatos dos servidores públicos estão em negociação com relação ao pagamento da data-base. Após várias reuniões ainda não se chegou a um acordo porém a atual gestão já apresentou proposta para pagamento do benefício.Uma nova rodada de conversações acontecerá nesta segunda-feira, 8, ás 17 horas na Secretaria de Planejamento.

Os sindicatos já oficiaram o governo com o posicionamento das entidades que querem o pagamento em parcela única. Ao Conexão Tocantins na manhã de hoje o presidente do Sindicato dos Servidores Públicos, Sisepe, Cleiton Pinheiro disse que a expectativa é que o governo atenda ao pedido dos sindicatos.