Estado

Foto: Almiro Marcos A reunião contou com a participação de secretários de Planejamento de Goiás, Distrito Federal, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Tocantins A reunião contou com a participação de secretários de Planejamento de Goiás, Distrito Federal, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Tocantins

Secretários de Planejamento de cinco estados participaram, na última quinta-feira, 2, no Palácio das Esmeraldas, em Goiânia, de uma reunião preparatória para o 1º Fórum de Governadores do Brasil Central, que contou com a participação do ministro-chefe da Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República (SAE/PR). O secretário de Estado do Planejamento e Orçamento (Seplan), David Torres, participou do encontro representando o Tocantins.

A reunião prévia reuniu secretários de Planejamento dos estados participantes do fórum:  Goiás, Distrito Federal, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Tocantins. Nesta sexta-feira, 3, os governadores dos referidos estados se reúnem com o ministro para tratar uma agenda de desenvolvimento para a região Centro-Oeste. Para o ministro Mangabeira Unger, o Planalto Central pode ser a vanguarda do novo modelo de desenvolvimento do Brasil.

O objetivo é traçar um plano estratégico regional. A discussão, por sugestão de Mangabeira Unger, será dividida em três eixos temáticos: instrumentos para gerar o desenvolvimento, modelo de produção e capacitação. A intenção é que o fórum de governadores ocorra de forma periódica em todos os estados nos próximos meses.

Tocantins

O titular da Seplan, David Torres, que participou da reunião preparatória para o fórum nesta quinta-feira, 2, ressaltou a importância de se criar um bloco econômico e político do Brasil Central. Para ele, a Superintendência de Desenvolvimento do Centro-Oeste (Sudeco) pode se tornar uma agência de desenvolvimento para ajudar no financiamento da região.

Segundo o governador Marcelo Miranda, o Tocantins tem muito a contribuir com a região. “O Tocantins é um estado que pode oferecer muito. Temos uma ferrovia, estamos discutindo a hidrovia e temos rodovias que estão prestes a ser duplicadas”, destacou. Já o ministro acredita que o Estado pode exercer um papel de liderança no Centro-Oeste em um programa de desenvolvimento com base no avanço do modelo agropecuário combinado com a industrialização e o avanço da educação.