Palmas

Foto: Divulgação

A ação do Ministério Público Estadual (MPE) pedindo a suspensão da cobrança do estacionamento rotativo e do contrato entre a empresa Infosolo e a Prefeitura de Palmas repercutiu entre lideranças políticas e comerciantes que sempre reclamaram da maneira como a cobrança é realizada na Capital sem que seja considerado sequer um tempo mínimo de tolerância para os usuários. 

O Conexão Tocantins ouviu o comerciante Marcos Tenório um dos líderes do movimento dos comerciantes da Avenida JK que cobram da Prefeitura de Palmas mudança no sistema. Marcos afirmou na tarde desta terça-feira, 7 de julho, que a categoria comerciária de Palmas está otimista e está pronta para guerra. "Olha! estamos otimistas com essa decisão e confiantes que faça algo porque está feia a coisa", disse. 

Segundo Marcos Tenório, os comerciantes são os mais prejudicados pelo estacionamento rotativo implantado pelo prefeito Carlos Amastha na capital. O comerciante frisou que se não houver decisão favorável da justiça, a categoria não desistirá e continuará manifestando contra o sistema. "Não fizemos manifestação no mês passado esperando a decisão (do MPE) que foi favorável a nós, pedindo a anulação do contrato e aí estamos confiantes. Mas se não houver uma decisão desfavorável pode ter certeza que vamos longe. Não vamos desistir fácil assim não", disse. 

Deputados 

A ação do MPE repercutiu também na Assembleia Legislativa do Tocantins na manhã de hoje. O deputado Wanderlei Barbosa (SD) disse que alertou o MPE para investigar a concessão. “Esse estacionamento estava matando o comércio”, pontuou a lembrar que a Casa de Leis realizou audiência pública com participação de comerciantes da Avenida JK para discutir o assunto.

Outro questionamento do parlamentar foi com relação ao percentual direcionado ao município pela empresa que explora o estacionamento. “Uma empresa privada explora o estacionamento (público) e paga uma taxa mínima de 7%? Isso é um absurdo!”, criticou.

O ex-deputado estadual e pré-candidato à Prefeitura de Palmas, Marcelo Lelis (PV), parabenizou o MPE por sua atuação e disse que já basta tanta cobrança na Capital. Lelis ainda frisou ser lamentável constatar que a implantação do estacionamento rotativo na Avenida JK, além de prejudicar o comércio e os cidadãos palmenses, foi implantada de forma autoritária. "A revelia da lei, e segundo afirma o MPE-TO com fortes indícios de favorecimento a uma empresa", disse em sua página da rede social facebook.