Estado

Foto: Emerson Silva

A primeira Conferência de Cultura Indígena do Tocantins, com o tema: A construção das Diretrizes e Metas da Cultura Indígena como parte integrante do Plano Estadual de Cultura do Tocantins teve início nesta última segunda-feira, 17. A ação foi realizada pela Secretaria de Estado da Cultura (Secult) e reuniu representes de sete etnias do Tocantins, autoridades estaduais e federais, como a vice-governadora do Tocantins Cláudia Lelis, o ministro da Secretaria de Diretos Humanos, Pepe Vargas e o coordenador-geral do Plano Nacional de Cultura do Ministério da Cultura, João Pontes.

Durante sua fala o ministro Pepe Vargas, ressaltou a alegria de ver o governo do Tocantins construindo um espaço de discussão democrática e incentivando a participação social para a construção do Plano Estadual de Cultura. “Gostaria de saudar o governo do Tocantins, por incentivar não só a democracia participativa, mas por estar dando um grande passo para preservar a memória cultural dos povos indígenas, uma ação importante para toda a humanidade”, afirmou.

“O modelo de conferência adotado pelo Tocantins servirá de exemplo para o fortalecimento indígena em todo país”, declarou o coordenador-geral do Plano Nacional de Cultura do Ministério da Cultura, João Pontes, lembrando que desde 2003 o Brasil passa por processos de transformações nas políticas culturais observando a diversidade do povo brasileiro.

O secretário de Estado da Cultura, Melck Aquino, revelou que as decisões indígenas sobre o Plano Estadual da Cultura, serão soberanas e não precisaram ser submetidas a assembleia geral durante a 4ª Conferência Estadual de Cultura. “Nós respeitamos a soberania dos povos indígenas, são eles que devem apontar suas necessidades para a preservação de sua cultura, cabe a nós viabilizar as condições necessárias para que isso aconteça”, concluiu Melck Aquino.

A realização da Conferência de Cultura Indígena, foi considerada pela vice-governadora do Estado, Cláudia Lelis, como oportuna, uma vez que o Tocantins está a 66 dias da realização dos Jogos Mundiais Indígenas. Outro ponto abordado por Cláudia Lelis, foi a necessidade de um amplo debate sobre a aculturação dos indígenas no Tocantins. “Precisamos juntos, estado e indígenas, debater formas de valorizar os povos e proporcionar a eles acesso de qualidade a educação, saúde, moradia, sem que haja um processo de aculturação”, disse.

Para Indianari Santos Javaé, esse é um momento único para os povos indígenas do Tocantins. “Estou muito feliz de estar representando meu povo nesse momento tão especial, percebemos que o Governo está ativando o cenário cultural e que durante esses dois dias de discussão, vamos trazer grandes benefícios para o nosso povo”, alegou.

Durante a abertura representantes da etnia Karajá se apresentaram com uma dança social. A Conferência de Cultura Indígena acontece nos dias 17 e 18 de agosto no Museu Histórico do Tocantins (Palacinho). A ação conta com o apoio da Secretaria de Defesa e Proteção Social do Tocantins, Fundação Nacional do índio (Funai) e Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Tocantins (Sebrae/TO)

Na Conferência de Cultura Indígena serão eleitos os delegados de sete etnias indígenas do Tocantins Karajá, Javaé, Xerente, Krahô, Apinajé, Krahô-Kanela e Xambioá. Esses delegados irão representar os povos indígenas na 4ª Conferência Estadual de Cultura.

A 4ª Conferência Estadual de Cultura

A 4ª Conferência Estadual de Cultura (CECT) acontecerá em Palmas, nos dias 28, 29 e 30 de agosto com o tema: A Construção do Plano Estadual de Cultura, como parte integrante do Sistema Estadual de Cultura do Tocantins. A conferência é aberta ao público em geral com o objetivo de aprovar a minuta de projeto de lei sobre o Plano Estadual de Cultura, e deve contar na sua abertura com a participação do ministro da Cultura, Juca Ferreira.