Polí­tica

Foto: Divulgação

O deputado estadual Wanderlei Barbosa (SD) repercutiu na tribuna da Assembleia Legislativa do Tocantins nesta terça-feira, 25, as vaias para o prefeito de Palmas, Carlos Amastha (PSB) no último domingo durante Futebol Solidário que reuniu vários políticos. Segundo ele, quando o prefeito pegou o microfone os presentes começaram a gritar e vaiar o gestor.

“As vaias foram pelos garis que ele demitiu, pelos professores que tiveram os cargos tirados e transformados em monitores”, disse. Para o parlamentar as vaias foram uma oportunidade de manifestar uma contrariedade reprimida. O deputado José Bonifácio (PR) também comentou o assunto e disse que foi uma “manifestação de carinho” por parte da população e chegou a ironizar os “aplausos” da população para o prefeito.

O deputado estadual Ricardo Ayres (PSB), correligionário e defensor do prefeito na Assembleia Legislativa, afirmou que o que prevaleceu foi o clima descontraído. “Eu não saberia dizer se eu, ou o prefeito recebemos vaias, sei que muitas risadas aconteceram. Foi uma festa muito bonita e ajudando a população do nosso Estado”, desconversou.

Críticas

Outro ponto comentado pelo deputado Wanderlei foi com relação à aplicação e investimentos para os Jogos Mundiais Indígenas  que acontecem em outubro. “Estarei de olho como devem estar de olho nos recursos destinados pelos ministérios do Esporte e das Cidades para as obras estruturantes dos Jogos Indígenas”, disse ao questionar qual o legado dessa obras ficarão para os palmenses.

O parlamentar falou de uma série de medidas impopulares tomadas pela atual gestão e da reclamação de pais sobre maus tratos de monitores, que segundo ele, não foram qualificados para tratar com crianças. “Quem paga a conta é do povo de Palmas e precisamos saber para onde está indo R$ 1,2 bi!”, afirmou.

Audiência Pública

O deputado Valdemar Junior (PSD) falou da audiência que discutiu os problemas do Luzimangues e que contou com a presença das lideranças políticas do Distrito. Transporte público, coleta de lixo e asfalto foram as principais reivindicações dos  moradores. “ Considero como uma audiência de alto nível e que escutamos do Chefe do Executivo as condições para resolver os problemas ali apontados pela comunidade que teve direito á voz”, disse. Segundo ele, não teve picuinha política nem disputa partidária já que ultimamente ele fez duras críticas á prefeitura de Porto Nacional.