Economia

Foto: Divulgação

Com a greve dos bancários que começa nesta terça-feira, 6, no Estado do Tocantins, os consumidores devem ficar atento ao pagamento de faturas, boletos bancários e outros tipos de cobrança. Segundo o Procon de São Paulo, embora a greve não afaste a obrigação do consumidor de pagar as obrigações, a empresa credora tem que oferecer outras formas e locais para que os pagamentos sejam efetuados.

Para não ser cobrado de encargos (juros e multa) e ter o nome enviado a serviços de proteção ao crédito, a recomendação do Procon de São Paulo é que o consumidor entre em contato com a empresa e peça opções de formas e locais para pagamento, como internet, a sede da empresa, casas lotéricas, código de barras para pagamento em caixas eletrônicos, dentre outros

O Procon orienta ainda que o consumidor documente esse pedido, ou seja, guarde cópia de e-mail ou anote o número de protocolo de atendimento, por exemplo. Assim, caso o fornecedor não atenda à tentativa de quitar o débito, o consumidor pode fazer a reclamação ao Procon.

As assembleias que aprovaram o início da greve foram feitas na semana passada. A legislação determina que a greve só pode ter início com aviso prévio de pelo menos 72 horas. Esse período é necessário para informar aos bancos e à sociedade sobre a interrupção dos serviços.

A Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) ofereceu 5,5% de reajuste para salários e vales. A proposta inclui abono de R$ 2,5 mil, não incorporado ao salário. Os bancários querem reajuste salarial de 16% (incluindo reposição da inflação mais 5,7% de aumento real), entre outras reivindicações.

Mais de 50% das agências fecham no Tocantins 

No Tocantins, mais de 50% das agências estão fechadas. Ao total são 165 agências no Estado, sendo que 84 fecharam as portas nesta manhã. O presidente do Sindicato dos Bancários do Tocantins (Sintec/TO), Crispim Batista Filho, explica que em alguns municípios todas as agências foram fechadas, como em Araguaína e Gurupi.

Foram fechadas agências da Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil, Banco da Amazônia e demais bancos privados. A mobilização é para que 100% das agências sejam fechadas e os bancários participem do movimento grevista.

“Continuamos a luta por um salário justo, pelo fim das metas abusivas, das filas e do assédio moral, além de garantia de condições de trabalho com saúde e segurança”, afirmou o presidente.

O presidente destaca que alguns transtornos são causados com a paralisação, porém o Sindicato está cumprindo o que é determinado por lei e 30% dos funcionários exigido para atendimento interno como compensação de cheque, reposição de dinheiro nos caixas eletrônicos, recolhimento de envelopes para operações bancárias está sendo mantido

O Sintec/TO também orienta a população a buscar os meios alternativos para efetuar as transações bancárias assim com os pagamentos de boletos durante a greve, entre eles os terminais eletrônicos, correios, casas lotéricas, telefone ou pela internet.

Assembleia

Em assembleia realizada na última quinta-feira, 1º, bancários do Tocantins rejeitaram o reajuste salarial apresentado pela Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) de 5,5% mais abono de R$ 2.500. Os bancários aprovaram o início da greve para esta terça-feira, 6.

Campanha Salarial 2015

As negociações da Campanha Salarial 2015 tiveram início no dia 11/08 quando foi entregue a pauta reivindicações dos bancários à Fenaban, Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal. Neste ano, os trabalhadores em bancos reivindicam reajuste de 5% de aumento real mais INPC dos últimos doze meses (setembro de 2014 a agosto de 2015); piso salarial com base no valor calculado pelo Dieese (R$ 3.299,66 em junho); maior participação nos lucros e resultados; combate às metas abusivas e ao assédio moral; fim das terceirizações e das demissões nos bancos; melhoria da segurança nas agências e no ambiente de trabalho para prevenir e combater doenças ocupacionais. (Matéria atualizada às 15h24min)