Estado

Foto: Divulgação

O Procurador-Geral de Justiça, Clenan Renaut de Melo Pereira, instaurou procedimento preparatório de inquérito civil na última sexta-feira, 23, com o objetivo de apurar supostos prejuízos causados ao erário do Estado do Tocantins decorrente do atraso no repasse de recursos financeiros de financiamento firmado junto ao Banco do Brasil. A segunda parcela, no valor de R$ 150 milhões, deveria ter sido paga em dezembro de 2014, mas o valor não foi creditado na conta do Estado.

De acordo com informações levantadas pelo Ministério Público Estadual (MPE), o Governo do Estado não está efetuando o pagamento de empresas em decorrência da falta dos recursos externos, o que tem gerado multa, juros e correção monetária. Recentemente, um grupo de empresários que presta serviços para o Governo do Estado informou que possuem dívidas de mais de R$ 200 milhões.

Entre as providências adotadas pelo Ministério Público Estadual estão ofícios requisitando informações, em caráter de urgência, ao Superintendente do Banco do Brasil no Tocantins sobre a liberação dos recursos. Ao Governador do Estado, o MPE questiona sobre as medidas judiciais que serão tomadas para garantir o cumprimento do contrato firmado com a instituição financeira.

Clenan Renaut solicitou do Centro de Apoio Operacional às Promotorias de Patrimônio Público do MPE a elaboração de laudo técnico mensurando eventuais prejuízos causados ao Estado decorrentes das falhas no repasse dos recursos em questão.