Polí­tica

Foto: Divulgação

A Polícia Federal do Tocantins terá que prestar informações à Assembleia Legislativa do Tocantins com relação à operação que resultou na morte do sargento da Polícia Militar, Wiratan Fraga dos Santos, nesta última segunda-feira, 2, no município de Pindorama. 

O militar foi alvejado durante a troca de tiros e socorrido, mas não resistiu e veio a óbito. O comando da Polícia Militar informa que adotará todas as medidas para acompanhar o caso. Por outro lado, a Polícia Federal vai apurar o caso e investigar os agentes que participaram do fato para depois encaminhar versão oficial sobre o fato que chocou a pequena cidade.

O pedido é de autoria do deputado estadual Ricardo Ayres (PSB) que alegou  a necessidade de esclarecimento do fato. “Pedem informações sobre a ocorrência que tirou a vida de um militar tocantinense.  A informação que nos foi dada é que a Polícia Federal não comunicou o comandante geral sobre a operação, daí, tanto os militares como os federais não tiveram a correta avaliação sobre a presença de cada um deles na ocorrência”, disse.

Em discurso da tribuna da Assembleia o parlamentar pediu um trabalho em conjunto de todas as forças de segurança no combate à criminalidade. "O policial militar teve sua vida tirada por outro policial que estava também no exercício de suas funções", frisou. Segundo ele não tem sentido a PF empreender operação numa cidade sem dar conhecimento às autoridades públicas estaduais.

Outros parlamentares também questionaram o fato que chocou a pequena cidade. Na versão da PM, os militares teriam sido surpreendidos pela Polícia Federal em um veiculo do tipo van sem qualquer caracterização e os policiais federais passaram a atirar na direção dos militares que estavam abrigados, os quais revidaram, mas o sargento foi alvejado.

O deputado Junior Evangelista (PRTB) também falou sobre a segurança pública no Estado ao repercutir a morte do oficial da reserva da Polícia Militar, tenente José Carlos Pinheiro, 52 anos, morto na última quinta-feira, 29, vítima de um disparo de arma de fogo. “A insegurança amedronta todas as cidades do Estado. Nos últimos 10 dias, em Miranorte, foram assassinadas três pessoas”, disse. Segundo o deputado, a cidade não tem delegado. “Pedimos ao secretário de segurança pública que possa dar atenção a esses municípios”, disse.

Cobrança

O deputado Nilton Franco (PMDB) falou da necessidade do uso do serviço de inteligência para combater o aumento da criminalidade. Segundo ele, na semana passada roubaram a arma de um policial no estacionamento na Assembleia Legislativa e também uma moto de um assessor de um parlamentar. O deputado disse, porém, sem citar nomes, que mais de 30 cidades do Estado estão sem policiais e viaturas. “Sei da dificuldade, que não é problema desse governo mas agora o problema está aí, temos que resolver, temos que criar soluções e o povo nos cobra”, disse.

Ele sugeriu convocar os representantes da Secretaria Estadual de Segurança Pública, do Comando da Polícia Militar e da Superintendência da Polícia Federal imediatamente para discutir o assunto na Comissão de Segurança Pública.