Economia

Foto: Divulgação

Acompanhando o cenário nacional, o consumo das famílias da Capital continua caindo. A pesquisa de Intenção de Consumo das Famílias (ICF) do mês de novembro acusou mais uma queda, já que em outubro o índice geral era de 89,9% pontos e agora recuou para 86,9%, apresentando uma queda de 3 pontos. No comparativo com o mesmo período do ano passado, em novembro de 2014 esse número era de 117 pontos, o que revela uma diminuição de 30,1 pontos. O ICF é uma realização mensal da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), em parceria com a Fecomércio Tocantins.

Para o presidente da Fecomércio Tocantins, Itelvino Pisoni, essa nova queda só vem a preocupar o setor do comércio no Estado. “Nos dois últimos meses tivemos os índices mantidos praticamente quase iguais, diferentemente do cenário do País, que só vinha acumulando quedas. Mas esse recuo de 3 pontos neste mês nos alerta que a crise nacional infelizmente chegou aqui também”, ressaltou.

No consumo atual, 69,2% das famílias entrevistadas afirmaram que estão comprando menos, se comparado ao mesmo mês do ano passado. E uma maioria simples, ou seja, 51,4% disse que este não é um bom momento para a aquisição de bens duráveis.

Outro quesito nada animador é o que diz respeito à perspectiva de consumo para os próximos meses. Nesse item, 56,5% responderam que este será menor do que o do segundo semestre de 2014. Nada fácil também para o acesso ao crédito ou empréstimo, quando 78% disseram estar mais difícil. Já a perspectiva profissional para os próximos seis meses também se registrou negativa, quando 45,1% acusaram que não veem melhoras profissionais nesse período.

No lado positivo, apenas os quesitos situação do emprego que registrou 70,8% dos que disseram estar mais seguros. E a situação de renda, quando 49,2% afirmaram estar melhor do que o mesmo período de 2014.

Recorte Nacional

No quadro nacional o cenário da ICF também é negativo. Seu índice de novembro registrou 76,4 pontos, acusando um recuo de 2,5% na comparação com outubro e de 36,6% com relação a novembro do ano passado. E novamente atingiu o nível mais baixo desde o início da série histórica, ocorrida em 2010 e a sua décima queda consecutiva. Essas quedas, segundo a CNC, são resultantes, entre outros, da aceleração da inflação, do enfraquecimento da atividade econômica e do aumento da incerteza no cenário político do País.

Sobre a pesquisa

A ICF foi realizada nos últimos dez dias do mês de outubro em Palmas. A pesquisa analisa sete itens junto aos consumidores: situação do emprego, perspectiva profissional, situação de renda, acesso a crédito ou empréstimo, consumo atual, perspectiva de consumo, e momento para consumo de bens duráveis. Os números aqui elencados foram obtidos do índice geral, ou seja, das duas categorias de famílias pesquisadas: as que ganham até 10 salários mínimos/mês e as que recebem acima desse valor mensalmente. A escala adotada é de 0 a 200 pontos, considerando-se positivo acima de 100 pontos e negativo abaixo deste número.

Por: Redação

Tags: Fecomércio, Icec, Itelvino Pizoni, Palmas