Economia

Foto: Divulgação Representantes do Governo, da Fieto e da Infraero em reunião nesta terça-feira Representantes do Governo, da Fieto e da Infraero em reunião nesta terça-feira

Representantes do Governo do Estado, por meio da Secretaria Estadual do Desenvolvimento Econômico e Turismo (Sedetur), da Federação das Indústrias do Tocantins (Fieto) e da Infraero, reuniram-se nesta terça-feira, 24, com o objetivo de buscar medidas que possam ajudar na celeridade do funcionamento do Terminal de Logística de Carga (Teca) do Aeroporto Brigadeiro Lysias Rodrigues, em Palmas/TO.

A proposta é entregar um documento à Receita Federal, responsável pela implantação do alfandegamento, com um levantamento das demandas atuais e potenciais de utilização do terminal. “O nosso esforço é para que as coisas aconteçam o quanto antes, pois esse é um equipamento necessário para o desenvolvimento econômico do Tocantins e o Governo se preocupa com isso. Desta maneira, estamos acompanhado rotineiramente esse processo, pois precisamos que o terminal entre em operação para poder adicionar resultados à economia do nosso Estado”, revelou o superintendente de Desenvolvimento Econômico da Sedetur, Vilmar Carneiro.

De acordo o superintendente da Infraero, Eulair Sousa, o processo de alfandegamento foi entregue à Receita Federal em julho desde ano, com vistas a dar início ao desembaraço aduaneiro no terminal o mais breve possível. “Esse processo consiste na conferência da documentação e a Receita Federal é que irá tanto liberar quanto atuar no terminal”, explicou.

A instalação do primeiro recinto alfandegado no Estado e a operação de aeronaves cargueiras deve impulsionar as atividades de recebimento e envio de produtos e gerar empregos diretos e indiretos, fomentando a economia estadual. “O Estado tem mercado consumidor relativo e isso nos remete à necessidade de buscar investidores externos e também exportação, por isso o terminal tem muita importância”, pontua José Roberto Fernandes, gerente de Defesa de Interesse da Industria da Fieto.

Ficou agendada para a próxima sexta-feira, 4 de dezembro, uma reunião para a completar o documento com a lista de empresas que demandam desembaraço aduaneiro.

Teca

O terminal  é composto por uma construção modular, totalizando 1,2 mil m² de área construída, com área de armazenamento de 500 m², com possibilidade de ampliação, conforme a demanda do Estado. Para a construção da plataforma, foram investidos R$ 3,84 milhões.