Saúde

Foto: Divulgação

“É muito doloroso ver um filho precisando de alimento e a gente não poder dá, por isso, se alguém puder fazer doação e salvar a vida de nossos filhos, ficamos muito gratas”. O apelo é de Maria Aparecida Alves, que tem um bebê de um mês e 20 dias internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Neonatal do Hospital e Maternidade Dona Regina (HMDR), que neste momento está com o estoque quase vazio e precisa alimentar 39 bebês que necessitam de leite materno para sobreviver.

Segundo Maria Aparecida, ela normalmente tem uma boa produção de leite, mas agora está tendo dificuldades. “Estou abalada com tantos dias longe do meu outro filho e acabo quase sem leite. Minha filha, que está aqui no hospital, precisa de doação do Banco de Leite, mas já tem dias que ela tá tomando fórmula, porque não sobra leite materno para ela. A gente ver mães que passam horas espremendo os seios na tentativa de sair alguma coisa e nada acontece, algumas se desesperam. É muito triste ver”, conta.

Segundo a coordenadora do Banco de Leite, Walkíria Pinheiro, para atender a demanda atual seriam necessários oito litros de leite por dia e a unidade só possui três para atender até esta quarta-feira, 23. “Temos mais de 100 doadoras cadastradas em nosso sistema e a coleta é feita constantemente, mas devido a forma sazonal como doam, umas um vez por semana, outras a cada três dias, umas uma vez por mês e algumas a cada três meses, acabamos ficando com baixa. Além deste fator nesta época do ano muitas doadores viajam e algumas se ocupam nas festividades e acabam não tendo condições de doar”, explica Walkíria, acrescentando que “com a baixa nas doações alguns bebês, os mais desenvolvidos, acabam tomando fórmula artificial, mas como esta fórmula é a base de leite de vaca, nem todos podem receber”, afirmou.

Rejane de Jesus Fernandes também é uma das mães que utilizam o Banco de Leite para manter o filho nutrido. “Meu filho tem três dias de nascido e esta na Unidade Intermediária do hospital. Eu não tenho leite e estou dependendo da  bondade de outras mães para vê-lo sadio. Então peço a quem puder que faça este gesto de amor por nossos bebês”, clamou.

Quem pode doar?

Segundo a coordenação do Banco de Leite, pode ser doadora toda mulher que está amamentando e percebe que depois que o bebê mama ainda tem leite no peito. Esta sobra pode ajudar o Banco de Leite. Vale lembrar que a mulher teve estar em boas condições de saúde, não fumar, não ingerir bebida alcoólica e nem tomar medicamento controlado.

Como doar?

Walkíria lembra que doar leite materno é um ato simples, fácil e que requer poucos minutos. “Fazendo isso a mulher demonstra um grande gesto de solidariedade e ela não precisa necessariamente se dirigir ao Banco de Leite na maternidade. Pode ligar no 0800 64 68283, a gente faz um cadastro dessa mãe e ela recebe a visita dos Bombeiros Amigo do Peito que vão até a casa levar o kit de doação contendo touca, máscara descartável, frasco esterilizado, gazes”, explica.

Os bombeiros fazem a orientação de como retirar o leite e armazenar. Assim, a mulher vai retirar o leite na hora em que se sentir mais a vontade e vai enchendo o frasco. Quando faltar apenas dois dedos para encher, ela deve ligar para que o hospital faça a coleta.