Saúde

Foto: Divulgação

Queixas crônicas, resfriados, contusões, escoriações, dor de garganta, ferimentos que não requerem fechamento e mal-estar. Estas são algumas das queixas que levaram 1.782 pessoas a procurarem o Hospital Geral de Palmas (HGP) somente no mês de outubro. Todas as pessoas poderiam ter sido atendidas em uma Unidade Básica de Saúde (UBS) ou em Unidade de Pronto Atendimento (UPA), mas ao procurarem o HGP, hospital de alta complexidade, contribuíram para filas desnecessárias e ocupação de profissionais que poderiam estar cuidando de casos com maior gravidade.

De acordo com dados do HGP, em outubro, a unidade recebeu 268 pacientes com classificação de risco azul e 1.514 com classificação de risco verde. A diretora geral do hospital, Renata Duran, destaca que “como o HGP é uma unidade porta aberta do Sistema Único de Saúde (SUS) realiza o atendimento, mas a mudança de atitude dessas pessoas seria uma grande contribuição para diminuir o fluxo de atendimento dentro da unidade”.

A não procura por uma unidade básica ou UPA, em alguns casos, ocorre por falta informação ou porque os pacientes acreditam que em um hospital maior o atendimento é mais rápido.  Em decorrência desta rotina, o HGP recebeu de janeiro a setembro de 2015 um total de 11.378 pacientes na classificação verde, que são casos considerados de baixa gravidade.

Diferenças

Para evitar a procura por atendimentos em hospitais de alta complexidade, quando o problema de saúde poderia ser resolvido em outras unidades, o cidadão pode observar as diferenças. A Unidade Básica de Saúde (UBS) é onde são realizados exames, consultas e acompanhamento médico, além de entrega de remédios e aplicação de vacinas. Funcionam de segunda à sexta-feira e sua utilização deve ser, por exemplo, em casos de traumas leves, sintomas leves de gripe, tonturas dor abdominal leve e mal-estar. 

As UPAs são unidades de urgência e emergência para serviços de média a alta complexidade. Funcionam todos os dias, por 24 horas e sua utilização deve ser, por exemplo, em casos de parada cardiorrespiratória, trauma craniano, choques, dor torácica moderada, dor abdominal moderada e ferimentos com febre.

Os hospitais são unidades que devem atender casos de alta complexidade e emergência, encaminhados pelas Unidades Básicas de Saúde, UPAs ou por ambulâncias, além de fazer atendimento clínico geral em diversas especialidades. Tem mais recursos tecnológicos de intervenção, centro cirúrgico e Unidade de Terapia Intensiva (UTI), funcionam diariamente 24 horas e sua utilização deve ser em casos de risco à vida, acidentes graves de trânsito, atendimentos envolvendo ortopedia, neurocirurgia, oftalmologia e acidente vascular cerebral.

Por: Redação

Tags: Hospital Geral de Palmas, Renata Duran