Polí­tica

Foto: José Cruz/ Agência Brasil O presidente nacional do PT, Rui Falcão acusa os promotores que pediram a prisão do ex-presidente Lula de parcialidade O presidente nacional do PT, Rui Falcão acusa os promotores que pediram a prisão do ex-presidente Lula de parcialidade

O presidente nacional do PT, Rui Falcão, afirmou nessa quinta-feira, (10) que o pedido de prisão preventiva do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e mais seis pessoas pelo Ministério Público de São Paulo (MPSP) não tem fundamento e é uma “ação midiática”. Rui Falcão, que esteve reunido com Lula, em São Paulo, disse que o ex-presidente soube do pedido com tranquilidade.

“O pedido de prisão preventiva vai na linha daquilo que vinha sendo feito por esse promotor [Cássio Conserino] e os seus dois parceiros [José Carlos Blat e Fernando Henrique Moraes de Araújo] de, sem provas, denunciar o presidente Lula. Agora, vem essa medida, a meu ver midiática, de pedir a prisão preventiva sem qualquer motivo”, disse o petista.

Para Falcão, os promotores do caso têm agido de forma parcial. “Antes mesmo de ouvir qualquer pessoa, o promotor já tinha dito para uma revista que ia denunciar o presidente. Portanto, não merece credibilidade, não tem imparcialidade e acho que nenhum juiz vai aceitar esse pedido, que não tem base, motivo, a não ser projeção e criar fatos sem nenhum fundamento legal. Isso me preocupa, porque estamos criando no país o embrião de um estado de exceção dentro do estado democrático”, acrescentou o presidente do PT.

Na quarta-feira, 9, o Ministério Público de São Paulo apresentou denúncia à justiça paulista relativa à investigação sobre titularidade do triplex no condomínio Solaris, em Guarujá (SP). Além do pedido de prisão preventiva, na denúncia o MP sustenta que Lula praticou os crimes de lavagem de dinheiro – na modalidade ocultação de patrimônio – e falsidade ideológica. (EBC)