Estado

A Associação dos Praças Militares do Estado do Tocantins (APRA-TO) e a Faspra-TO (Federação das Associações Militares do Estado do Tocantins) lamentaram por meio de nota à imprensa a morte de mais um policial militar no Estado, ocasionada por criminosos, desta vez o sargento PM, Paulo Pereira da Silva. “É com imensa tristeza que, pela segunda vez em menos de uma semana, recebemos a notícia do falecimento de mais um policial militar”, afirma a nota conjunta das entidades.

A morte se deu durante ocorrência policial no momento em que o sargento Paulo e seu companheiro de guarnição sargento Josafá Ferreira de Araújo realizavam o atendimento de uma ocorrência de som alto e perturbação do sossego. Na ocasião, sargento Paulo foi desacatado pelo acusado do crime e, ao tentar algemá-lo, foi enfrentado pelo mesmo e por outros que o acompanhavam, momento em que a arma do policial militar caiu no chão. Em seguida foram efetuados os disparos. Sargento Paulo foi alvejado quatro vezes e faleceu ainda no local. Já o Sargento Josafá foi atingido três vezes, mas foi socorrido a tempo e se encontra estável recebendo cuidados médicos.

Dentre os cinco acusados do crime, quatro foram localizados, sendo um deles menor de idade. As diligencias para prender o quinto acusado seguem em curso.

Segundo as entidades militares, “covardemente executado no exercício de sua função, sargento Paulo é mais um herói que parte de forma trágica deixando um grande sentimento de perda para a Policia Militar do Tocantins”. O policial militar ingressou na corporação no ano de 1998, atualmente servia no 7º Batalhão, tinha 38 anos, era casado e deixa dois filhos.

A Apra-TO e a Faspra-TO acrescentam que a morte de nenhum policial militar será esquecida e que as entidades representativas da classe militar trabalharão incessantemente para exigir que o poder público providencie, imediatamente, estrutura e apoio para todos os militares do Estado, e punição rigorosa aos autores dos crimes.