Opinião

Quem nunca viu uma criança imitando o papai e a mamãe?  E já esta frase: “Educação vem de berço”.

Segundo educadores a ética e a moral constituem “a base sólida do caráter às novas gerações”! Nossos filhos são o reflexo real em nós papais, mamães e responsáveis. Cada gesto praticado é influência para o comportamento do bebê, desde os primeiros dias de vida.

O dever está em nós pais, aliás, de todo “grupo familiar”! Aprendizado é muito semelhante a uma construção de um edifício: ‘um tijolinho de cada vez’. Impor limites será o primeiro passo para obter o controle da situação e prezar pela segurança da criança.

Como bem disse uma pesquisadora do desenvolvimento infantil: uma criança sem disciplina é uma criança que não se sente amada. Dizer um simples "não" pode parecer difícil para os pais. 

A escolha do que a criança pode ou não fazer deverá ser decidida entre os pais, pois a negativa para qualquer coisa sem uma consistência e uma motivação poderá transformar o relacionamento num “modelo inadequado”!

O “não” deverá sempre vir acompanhado de certa tranquilidade e não falta de amor e/ou afeto. Os filhos não podem ter medo dos pais. Este sentimento nos pequenos, certamente provocará afastamento e desconfiança levando muitas vezes a buscar em outra pessoa, um espelho. Ser mimado não significa ser feliz. Este é um erro!

A criança se sente feliz quando é amada, cuidada, protegida, orientada e ensinada. Especialistas afirmam que para criar o bebê não é necessário poupá-lo do mundo, mas, sim, atender às suas necessidades. É difícil para alguns adultos compreenderem, porém regras e organização fazem bem sim para a formação das crianças. Lembrar e ter cuidado com o conceito de autoridade, pois também é fundamental.

A educação começa quando eles nascem quando colocamos os limites e estabelecemos uma rotina visando sua vida adulta! Quanto mais cedo, melhor! Criamos filho para o mundo. 

*Dr. José Ricardo de Faria Borges é médico pediatra CRM-TO 3877 RQE 1643

Por: José Ricardo de Faria Borges

Tags: Articulistas, José Ricardo de Faria Borges, Pediatria