Educação

Foto: Divulgação

Estudantes do Centro de Ensino Médio Castro Alves, em Palmas, participaram na manhã desta terça-feira, 17, de uma atividade com a proposta de refletir a situação da infância e adolescência no Tocantins, bem como propor soluções para compor o Plano Decenal dos Direitos Humanos da Criança e do Adolescente do Estado do Tocantins - PDDHCA.

Os participantes da atividade foram divididos em grupos para discutir e sugerir propostas nas áreas da saúde, educação e tecnologia, cultura, lazer, esporte, profissionalização, cidadania e direito à participação.

Para os próximos 10 anos, o adolescente Antônio Carlos, quer que a cultura seja mais valorizada. “No Tocantins e no Brasil a cultura é muito desvalorizada, precisamos de mais investimentos”, disse Antônio. Ainda considera que falta investimento nas escolas – principalmente na climatização – nos hospitais e nas áreas de lazer.

Segundo ele, os adolescentes precisam ter mais acesso ao transporte público, opinião compartilhada pela aluna Mairla. “A passagem de ônibus é muito cara. A maioria dos estudantes anda de transporte público”, destacou.

No final da manhã, cada grupo apresentou as resultados obtidos nos diálogos e foram convidados para participar das atividades em alusão ao 18 de maio, Dia Nacional de Enfrentamento ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, instituído pela  Lei Federal 9.970/2000.

“Esse é um assunto muito maquiado, ainda mais pelos pais, que não falam sobre isso. As pessoas deveriam falar abertamente. Só o diálogo pode resolver”, comentou a adolescente Mairla Sales.

O processo de formulação do PDDHCA é conduzido pelo Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente - CEDCA com apoio do Centro de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente - Cedeca Glória de Ivone, por intermédio do convênio SICONV nº 813027/2014 entre a organização e a Secretaria Especial de Direitos Humanos da Presidência da República – SDH/PR.

Por: Redação

Tags: Antônio Carlos, Cedeca