Palmas

Foto: Divulgação

O vereador Júnior Geo (Pros), na sessão desta quarta-feira, 18, questionou os gastos com aluguel para prédios para o funcionamento de serviços públicos, em Palmas. A contradição, de acordo com o parlamentar, está no fato da gestão pagar aluguel dos imóveis que abrigam a Prefeitura de Palmas, o Resolve Palmas e a Secretaria Municipal de Saúde enquanto os prédios da Secretaria Municipal do Meio Ambiente, do Shopping da Cidadania e de outras de estruturas próprias da prefeitura estão desativados.

“Esse dinheiro que está sendo usado para essa sequência de alugueis é dinheiro da sociedade que está sendo mal utilizado”, reclamou Júnior Geo.

O vereador ainda questionou porque a Prefeitura tem mantido a prática de construir estruturas em lotes particulares, como é o caso das áreas nas quais foram construídos o Centro de Referência em Fisioterapia e o Instituto 20 de Maio. “Construíram estrutura física com dinheiro público em uma área que não é publica”, disse.

Júnior Geo também lembrou o acordo para a reforma do Paço Municipal para abrigar a sede definitiva da Câmara de Palmas. A previsão era de prefeitura concluísse a reforma, realizada com recursos das emendas parlamentares,  até o mês de agosto. No entanto, a obra ainda não saiu do papel. “O dinheiro foi, a reforma não ocorreu”, resumiu.

Desavenças internas

Diante de repetidos apelos de vereadores da base para a recomposição das comissões parlamentares, o presidente da Câmara, Rogério Freitas (PMDB), voltou a enfatizar que a reestruturação das comissões foi realizada atendendo ao Regimento Interno da Câmara, portanto, dentro da legalidade.

“Sou obrigado a fazer cumprir o regimento interno. É esse é meu papel”, ressaltou o presidente, explicando que uma reconfiguração das comissões parlamentares estaria condicionada à revisão do Regimento Interno da Câmara.  “Só poderemos fazer as substituições à luz do regimento interno”.

Rogério Freitas afirmou que a Câmara precisa focar nos “problemas do povo de Palmas”, ou seja, em questões mais importantes para a sociedade. Por isso, não voltará a falar em recomposição das comissões no plenário. “Hoje é ultima vez que subo à tribuna para tratar das comissões”, concluiu.