Estado

Foto: Divulgação

O descumprimento por parte da direção atual do Sindicato dos Médicos no Estado do Tocantins (Simed) de decisão judicial de 9 de maio deste ano já causou prejuízo de R$ 65 mil aos cofres da entidade. O valor pode aumentar. A sentença da 2ª Vara do Trabalho de Palmas determinou que fossem anuladas todas as deliberações da comissão eleitoral que impediram o registro da chapa 2, de oposição, denominada de “Responsabilidade Classista”. 

A chapa está devidamente registrada por força desta decisão. Porém, a multa por descumprimento é cobrada desde o dia 17 (data da citação) pelo fato de a comissão não ter aberto novos prazos e ter reiniciado o pleito. 

Inicialmente, a Justiça determinou valor de R$ 1 mil por descumprimento, em decisão liminar datada de 9 de maio. Entretanto, no dia 12, a Justiça reajustou para R$ 5 mil. 

Em favor da chapa da gestão atual

A Justiça considerou que a negativa do registro da chapa 2 para disputar a eleição se deu pelo fato de a comissão trabalhar em benefício de uma das chapas, a da situação. 

“Tivemos motivo suficiente para entender que houve negativa, por parte da administração do sindicato que, ao que tudo indica, trabalha em favor de uma das chapas, de fornecer aos adversários a documentação completa, sobretudo no que diz respeito à lista dos empregados aptos a votarem e serem votados”, diz trecho do despacho. (Ascom Responsabilidade Classista)