Estado

Foto: Divulgação O delegado Vinicius (D) Mendes afirma que a Deic tem trabalhado no intuito de coibir a prática do Novo Cangaço e desarticular as quadrilhas que atuam no Tocantins O delegado Vinicius (D) Mendes afirma que a Deic tem trabalhado no intuito de coibir a prática do Novo Cangaço e desarticular as quadrilhas que atuam no Tocantins

A segurança pública é um dos assuntos que serão discutidos durante o 3º Fórum de Governadores do Brasil Central 2016, a ser realizado nesta quinta e sexta-feira, 2 e 3, em Palmas. Chefes do executivo do Tocantins, Goiás, Rondônia, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e do Distrito Federal voltam a se reunir para discutir projetos de interesse comum, com foco no desenvolvimento econômico e social dos estados que formam o Consórcio Interestadual de Desenvolvimento do Brasil Central.

A pauta, que será discutida pelos gestores, contempla os setores da segurança pública, saúde e educação com os seguintes temas: Entrega do Plano de Educação Integral para o Brasil Central; Apresentação do Programa Universidade Corporativa do Tocantins; Apresentação da Ferramenta de Combate ao Aedes Aegypti; Incentivos Fiscais, Segurança em Fronteiras; Combate ao Crime Organizado; Cooperação Interfederativa; o Novo Cangaço; dentre outros assuntos.

O Novo Cangaço é uma das modalidades de roubos a bancos, comum no interior dos estados. A principal característica deste tipo de crime é o pânico que a quadrilha de criminosos causa nos moradores dos municípios onde ocorre.

De acordo com o delegado Vinicius Mendes, da Delegacia Especializada em Investigações Criminais do Tocantins (Deic), o Novo Cangaço atua principalmente em municípios pequenos. “Eles entram nessas cidades bem armados, com explosivos, carros blindados, fuzis e armas de alto calibre. Dessa forma, vão a um banco e fazem os moradores de escudo humano”, explicou, concluindo que outra parte do grupo de assaltantes fica fora das agências, fazendo os moradores reféns, além de ameaçar a polícia. “Eles interceptam a atuação dos policiais, disparam contra delegacias, viaturas e agentes”.

Em 2015, foram registradas duas ocorrências do tipo no Tocantins, segundo dados da Deic. Um dos casos ocorreu em Lagoa da Confusão e outro em Ananás. Até maio deste ano, a Deic registrou oito casos desta modalidade de crime, sendo que três das ocorrências foram registradas apenas como tentativa de assalto.

Combate ao furto e roubo a bancos

O delegado Vinicius Mendes afirma que a Deic tem trabalhado no intuito de coibir esse tipo de crime e desarticular as quadrilhas que atuam no Tocantins. Um dos casos mais recentes foi, no início do mês de maio, quando a Deic, com apoio da 2ª Delegacia de Polícia de Paraíso (2ª DP) e da diretoria de Inteligência e Estratégia da Secretaria de Estado da Segurança Pública (SSP) desarticulou uma quadrilha no projeto de assentamento Manchete, município de Marianópolis. Numa demonstração de integração entre as polícias dos estados do Tocantins e Goiás, a Polícia Civil do Tocantins recebeu informações da Deic de Goiás, de que a quadrilha teria migrado para esse assentamento. A partir daí, a Deic/TO teve o apoio do Serviço de Inteligência da SSP para investigar e solucionar o caso.

Em 2015, foram 53 prisões por crimes relacionados a furto e roubo de banco. Já neste ano, até maio, foram cumpridos 17 mandados de prisão.