Economia

Foto: Divulgação

As pessoas estão cada vez mais preocupadas com a situação atual da economia. Prova disto, são as correntes quedas no endividamento das famílias de Palmas, que em junho chegou a 66,5%. Se comparado ao mês de maio deste ano, o índice registrou uma queda de 3,1%. Mas a queda é ainda mais visível quando comparado ao índice de junho de 2015, onde houve um declínio de 7,7%. Do total de famílias endividadas, 14,1% estão com contas em atraso.

O presidente da Fecomércio Tocantins, Itelvino Pisoni, acredita que a situação econômica tende a melhorar nos próximos meses. “A queda no endividamento é reflexo de alguns fatores, como a queda do consumo, a insegurança com a economia e principalmente, porque neste momento as pessoas estão consumindo à vista. A tendência é que os supérfluos sejam cortados das compras familiares também. Contudo com este novo quadro político, é possível que a economia comece a dar indícios de melhora e o consumidor comece a se planejar e comprar novamente”, explicou.

O ranking do tipo das dívidas continua o mesmo do mês anterior, o cartão de crédito em primeiro lugar com 72%. Em segundo lugar estão os carnês de lojas (28,7%), seguido de financiamento de carro (25,4%).

O tempo médio de atraso nas dívidas segundo as famílias é de 52.8 dias. A maioria (43,8%) disse ter dívidas atrasadas entre 30 e 90 dias. Já o tempo médio de comprometimento com dívidas é de 8,5 meses, onde a maior parte (52%) tem dívidas para mais de 1 ano. O comprometimento médio da renda com dívidas é de 33,1%. Dos entrevistados que se consideram endividados, 56,1% disseram estar pouco endividados.

A pesquisa é realizada mensalmente pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) em parceria com a Fecomércio Tocantins. A Pesquisa de endividamento e inadimplência do consumidor entrevistou 500 palmenses, sendo os dados colhidos nos últimos dez dias do mês de maio.

Por: Redação

Tags: Fecomércio, Itelvino Pisoni