Estado

Foto: Marcio Vieira ma nova reunião está marcada para a próxima segunda-feira, 19, às 9 horas ma nova reunião está marcada para a próxima segunda-feira, 19, às 9 horas

Mais uma vez aberto ao diálogo e dando continuidade às negociações com os sindicatos que compõem o Movimento de União dos Servidores Públicos Civis e Militares do Estado do Tocantins (Musme), o secretário-geral de Governo e Articulação Política e presidente do Grupo Gestor, Lyvio Luciano Carneiro de Queiroz, o secretário de Estado da Administração Geferson Barros e o secretário de Estado da Comunicação Social, Rogério Silva, se reuniram com os representantes sindicais na tarde dessa quarta-feira, 14, na sede do executivo, para buscar alternativas para o fim da greve.

“A proposta apresentada aos líderes sindicais se assemelha a de outros três estados brasileiros, sendo que apenas três buscam a implementação da data-base, isso significa que, por determinação do governador Marcelo Miranda os servidores farão parte de um grupo seleto em que os servidores terão a data-base 2016 implementada. O Governo está fazendo o possível para atendê-los”, destacou presidente do Grupo Gestor Lyvio. Uma nova reunião está marcada para a próxima segunda-feira, 19, às 9 horas. 

Ainda conforme Lyvio Luciano, a reunião foi finalizada de forma positiva e o Governo está otimista para que no mais breve possível os serviços oferecidos à população sejam restabelecidos. “Mais uma reunião que acontece desde o mês de maio para discutir da data-base. Sendo que de maneira sensata e colaborativa, os sindicalistas apresentaram sugestões e situações que, com certeza, serão importantes para que o Governo faça um juízo final das suas possibilidades reais para concretizar a implementação da data-base 2016 aos servidores”, frisou.  

Na manhã de ontem o grupo gestor participou e apresentou proposta aos representantes sindicais durante audiência pública na Casa de Leis. Na ocasião O presidente do Grupo Gestor explicou que  também já estão sendo implementadas medidas efetivas que resultarão na manutenção dos direitos dos servidores, como a desoneração da folha de contratos/comissionados/comissões/indenizações em 20%, o que corresponderia o valor de R$ 7.669.021, 78 mensais e R$ 102.228.060, 40 ao ano.