Polí­tica

Foto: Divulgação

A participação da mulher brasileira na política tem aumentado a cada ano. Em cumprimento ao que estabelece a legislação eleitoral, os partidos e coligações têm incentivado uma maior presença feminina não apenas nos diretórios das agremiações, mas também como candidatas a cargos eletivos. Nas Eleições Municipais 2016, por exemplo, segundo dados desta quarta-feira (28), há 56 municípios de 17 estados com apenas mulheres candidatas ao cargo de prefeito.

A maior participação feminina para uma vaga nas prefeituras está no Rio Grande do Norte. Lá, em oito municípios (Lucrécia, Frutuoso Gomes, Ouro Branco, Serra Caiada, Santa Cruz, São José do Campestre, São Vicente e Taboleiro Grande), apenas mulheres se candidataram ao cargo de prefeito. No estado de São Paulo, são sete cidades: Alto Alegre, São João de Iracema, Barão de Antonina, Cássia dos Coqueiros, Magda, Nova Granada e Ocauçu.

As outras unidades da Federação com municípios nessa situação são: Alagoas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Sergipe e Tocantins.

Segundo a analista do Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul (TRE-RS) Adriana Sampaio, que já realizou diversos estudos sobre a participação feminina na política, de 1997 para cá, com a Lei das Eleições (Lei n° 9.504), está havendo uma evolução no sentido de favorecer o engajamento da mulher na política como candidata. A norma passou a prever que os partidos e coligações reservassem, para os cargos proporcionais, o mínimo de 30% e o máximo de 70% para candidaturas de cada sexo.

No entanto, de acordo com ela, a participação feminina nas candidaturas começou a crescer consideravelmente a partir de 2009, com a Lei 12.034, que passou a exigir o preenchimento (e não mais apenas a reserva) de no mínimo 30% e no máximo 70% para candidaturas de cada sexo no caso das eleições proporcionais.

“Temos hoje muitas mulheres participando bastante como eleitoras ativas, como cabos eleitorais. Mesmo dentro dos partidos elas já têm uma participação muito maior, como filiadas, mas na hora de saírem candidatas, de concorrerem, isso não acontecia tanto. Então, todos esses processos estão fomentando uma participação maior da mulher, porque estão obrigando os partidos a inscreverem mulheres como candidatas. É uma obrigação, e eles acabam tendo de cumprir, mas ainda é pouco”, acrescenta.

No Tocantins, apenas mulheres concorrem ao cargo de prefeito em Pugmil e Nazaré. Em Pugmil são duas as candidatas: Arlene Martins Souza (PMDB) e Maria de Jesus Ribeiro (PPS). Em Nazaré, também são duas candidatas: Eliana Maria Pereira (PTB) e Maria Elvira Chagas (PV). 

Acesse aqui o sistema DivulgaCandContas 2016 para se informar sobre os candidatos da sua cidade.

Confira a seguir a relação dos municípios com apenas mulheres candidatas ao cargo de prefeito:

AL -

NOVO LINO

AL -

PASSO DE CAMARAGIBE

BA -

MARAÚ

BA -

NOVA REDENÇÃO

BA -

WANDERLEY

CE -

CARIDADE

CE -

JATI

CE -

SÃO LUÍS DO CURU

GO -

PIRES DO RIO

GO -

SANTA ISABEL

MA -

AMAPÁ DO MARANHÃO

MA -

BERNARDO DO MEARIM

MA -

AXIXÁ

MA -

BOM LUGAR

MA -

GOVERNADOR ARCHER

MG -

CORDISLÂNDIA

MG -

RIBEIRÃO VERMELHO

PA -

ALMEIRIM

PA -

ULIANÓPOLIS

PB -

SÃO JOSÉ DO BREJO DO CRUZ

PB -

CALDAS BRANDÃO

PB -

AREIA DE BARAÚNAS

PB -

OURO VELHO

PR -

FAROL

PR -

FLÓRIDA

PR -

JARDIM OLINDA

PR -

RANCHO ALEGRE

PR -

ALTAMIRA DO PARANÁ

PE -

TERRA NOVA

PI -

BRASILEIRA

PI -

COLÔNIA DO GURGUÉIA

RN -

LUCRÉCIA

RN -

FRUTUOSO GOMES

RN -

OURO BRANCO

RN -

SERRA CAIADA

RN -

SANTA CRUZ

RN -

SÃO JOSÉ DO CAMPESTRE

RN -

SÃO VICENTE

RN -

TABOLEIRO GRANDE

RS -

ALEGRETE

RS -

CAMARGO

RS -

IVOTI

RS -

ESTRELA VELHA

RS -

SERAFINA CORRÊA

SC -

RANCHO QUEIMADO

SC -

SALTO VELOSO

SP -

ALTO ALEGRE

SP -

SÃO JOÃO DE IRACEMA

SP -

BARÃO DE ANTONINA

SP -

CÁSSIA DOS COQUEIROS

SP -

MAGDA

SP -

NOVA GRANADA

SP -

OCAUÇU

SE -

NOSSA SENHORA APARECIDA

TO -

PUGMIL

TO -

NAZARÉ