Polí­tica

Foto: Divulgação

A senadora Kátia Abreu (PMDB-TO) pediu, nesta terça-feira, 29, ao presidente do Tribunal de Contas da União (TCU), Aroldo Cedraz, solução para destravar as obras do Projeto de Irrigação Sampaio, na região do Bico do Papagaio, no Tocantins. O empreendimento teve início em 2000, mas até hoje não está em funcionamento porque a infraestrutura necessária não foi concluída.

O projeto está localizado no município de Sampaio e prevê construção de infraestrutura para irrigação de 1.000 hectares destinados ao cultivo de frutas, grãos, entre outros. As obras consistem em sistemas de bombeamento para captação, distribuição e drenagem d’água e dique para proteção das áreas de lavoura contra as cheias do Rio Tocantins.

De acordo com a senadora, existem mais de cem projetos de irrigação no Nordeste brasileiro com problemas semelhantes ao de Sampaio, por isso a parlamentar pediu auxílio ao TCU para desenhar uma solução que sirva de modelo às demais obras.

O TCU determinou que o Tocantins devolva aos cofres da União R$ 287 milhões, o que deixaria o estado inadimplente e prejudicaria a assinatura de outros convênios públicos importantes. O convênio com a empresa responsável pelas obras em Sampaio está expirado há dois anos e corre o risco de passar por Tomada de Contas Especial na Controladoria Geral da União (CGU).

A senadora busca uma solução junto aos órgãos envolvidos – CGU, Ministério da Integração Nacional e TCU – para que os produtores da cidade consigam produzir e ter produtividade.

Kátia Abreu destacou que cada hectare de área irrigada tem potencial para gerar 4 empregos (diretos e indiretos). “Além de melhorar a produção, a irrigação é o processo mais barato e rápido para se gerar emprego no campo”, afirmou.

“Não fossem os desvios e a má utilização dos recursos públicos, poderíamos já ter gerado 4 mil empregos em Sampaio e região. O povo é quem está sendo prejudicado”, completou Kátia Abreu.