Campo

Foto: Divulgação

A nova diretoria do Conselho Regional de Medicina Veterinária e Zootecnia do Tocantins (CRMV-TO) notificou na semana passada a ONG Anjos de Patas, da cidade de Paraíso do Tocantins, a 60 km de Palmas, por organizar um mutirão de castração de animais sem atender as normas previstas na Resolução 1015, do Conselho Federal de Medicina Veterinária.

O mutirão estava marcado para o dia 12 de fevereiro, no Centro de Ensino Médio da cidade, que, segundo o CRMV, não tem estrutura física para resguardar o bem-estar animal e a saúde pública, conforme prevê o documento. Após conversa com a presidente do CRMV, Railda Marques, a organização cancelou o mutirão. 

Na quinta-feira, dia 9, a presidente do CRMV Tocantins, Railda Marques, esteve no local para conferir a estrutura do laboratório do Centro de Ensino, onde seriam realizadas as cirurgias, e foi considerado totalmente inadequado. Ela explicou que o Conselho não tem nada contra mutirões de castrações e ações de ONG’s, porém, segundo a presidente, as mesmas devem firmar parcerias com hospitais veterinários, clínicas ou prefeituras para oferecer o mínimo de infraestrutura para que as cirurgias ocorram dentro da normalidade. “As cirurgias devem acontecer em hospitais ou clínicas veterinárias, com instalações adequadas para procedimentos cirúrgicos”, comentou. 

Ainda segundo Railda, a ONG apresentou documento de que o evento não visava lucro e era beneficente. Só que o Conselho salvou o material de divulgação que circulava nas redes sociais, onde foi publicada a tabela de preços para as castrações (veja a imagem). “Eles alegaram que estavam realizando uma ação beneficente, mas estavam cobrando pelas cirurgias, portanto, tinham condições de conseguir um local com melhor infraestrutura”, falou a presidente do CRMV-TO.