Educação

Foto: Divulgação Algumas imagens foram encaminhadas ao Conexão Tocantins Algumas imagens foram encaminhadas ao Conexão Tocantins

O Ministério Público Estadual (MPE/TO) instaurou Inquérito Civil para investigar a qualidade das carnes fornecidas às escolas municipais de Mateiros do Tocantins. De acordo com a Portaria de número 21/2017, chegou ao conhecimento da Promotoria de Justiça de Ponte Alta do Tocantins a informação de que estava sendo fornecida carne com aspecto duvidoso nas escolas de Mateiros. 

O promotor de Justiça Leonardo Valério Pulis Ateniense é o responsável pelo caso. A vigilância sanitária de Mateiros será notificada e terá que produzir um relatório tratando da situação. 

O Conexão Tocantins recebeu imagens de carne possivelmente estragada, encaminhada por um morador da cidade que informou ter recebido as fotos de um funcionário da Escola Municipal Ernestina Vieira Soares. "Diante da aparência da carne notamos que a mesma estava impropria para consumo, e mesmo o fato desse pedaços terem sido descartados, o que nos preocupa é que o restante da carne pode ter sido servida aos alunos, mesmo sem ter feito nenhuma analise", comentou o morador. 

Secretária esclarece 

A secretária de Educação da cidade, Eliene dos Santos Alecrim, explicou em entrevista ao Conexão Tocantins na tarde desta terça-feira, 11, que a Escola Municipal Ernestina Vieira Soares comprou carne de charque, já embalada, e foi notado algo diferente na aparência do alimento, uma anormalidade. Segundo Eliene, a carne não foi servida para os alunos, retornando aos fornecedores. "O procedimento correto foi feito, que foi a retirada e não fornecemos às crianças. Devolvemos a carne, o lote todo aos fornecedores", informou. 

Ainda de acordo com a secretária de Educação da cidade, o problema com a carne foi detectado na sexta-feira, 17 e já na segunda-feira, 20 de março, foi realizada uma reunião para prestar esclarecimentos aos familiares dos alunos que procuraram a escola. Eliene tranquiliza os pais, dizendo que a escola conta com nutricionista e equipe de apoio para cuidar da alimentação das crianças. "Os pais podem ficar tranquilizados!", defendeu. Foi a primeira vez que aconteceu isso em unidade escolar de Mateiros, contou a secretária.