Economia

Foto: Divulgação

O índice de famílias palmenses com dívidas tem sofrido oscilação nos últimos meses. Em maio, de acordo com a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência, 69% dos entrevistados afirmaram estar endividados em algum nível. Esse número é 1,9% menor que o registrado em abril (70,9%) e 0,6% menor que o do mesmo período do ano passado (69,6%).

Os dados foram apurados pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) em parceria com a Fecomércio Tocantins. “A proporção de endividados é a menor desde dezembro de 2016, quando 68,6% disseram estar na mesma situação. Esse número revela que o palmense está organizando o orçamento familiar”, explica o presidente do Sistema Fecomércio Tocantins, Itelvino Pisoni.

“Além de equilibrar as contas, o palmense também está freando as compras. Na pesquisa Intenção de Consumo das Famílias, divulgada no início do mês, percebeu-se uma leve queda na expectativa de compras, apesar das datas comemorativas do período”, completa o presidente.

PEIC

Dentre os endividados, 13,2% estão com contas em atraso e 0,2% não terão como quitá-las no próximo mês. A PEIC mostrou que o consumidor palmense leva aproximadamente 55 dias para pagar as contas atrasadas e compromete cerca de 8,6 meses com as dívidas. O comprometimento médio da renda mensal das famílias de Palmas ficou em 32,5% em maio.

A pesquisa mostrou que o cartão de crédito continua no topo de lista de dívidas dos palmenses, sendo a opção de 73,3% dos entrevistados. Na sequência, estão o financiamento de carro (25,8%), carnês (25,1%) e financiamento de casa (14,7%).  O ranking conta, também, com cheque especial, crédito consignado, crédito pessoal, entre outros.