Turismo & Lazer

Foto: Marcelo de Deus

O boletim divulgado nessa quinta-feira, 8, pelo programa de balneabilidade mantido pela Fundação Municipal de Meio Ambiente (FMA), atestou que todas as praias da Capital estão próprias para serem utilizadas pela população em recreação de contato primário. O programa monitora a qualidade bacteriológica da água nos rios e lagos que formam as praias da Capital.

O monitoramento da balneabilidade das praias de Palmas foi realizado nos dias 5, 8, 15, 29 do mês de maio e no dia 5 de junho para a emissão do Boletim de Balneabilidade referente ao mês de maio de 2017.

A FMA está intensificando seu programa de monitoramento em função da proximidade da temporada de praias, que inicia em Julho. “A temporada de praias se aproxima e com ela também chega a necessidade de cuidados com a saúde. De nossa parte, estamos cuidando para que os banhistas – moradores e turistas de Palmas – possam utilizar nossas praias permanentes de forma segura”, informou o presidente da FMA, Evercino Moura dos Santos Júnior.

O Programa de Balneabilidade está estruturado para atender às especificações da Resolução do Conselho Nacional de Meio Ambiente (Conama), nº 274/2000, que define critérios para a classificação de águas destinadas à recreação de contato primário, ou seja, o contato direto e prolongado com a água (banho, recreação, mergulho, esqui-aquático, entre outros).                           

O parâmetro considerado para a balneabilidade das praias é o número mais provável (NMP) de coliformes fecais por 100 ml de água. Conforme a resolução Conama 274/2000, as condições de balneabilidade são definidas como própria quando em 80% ou mais de um conjunto de amostras obtidas em cada uma das cinco semanas anteriores, colhidas no mesmo local, houver no máximo 800 Escherichia coli por 100 mililitros, e imprópria quando não atendidos os critérios estabelecidos para águas próprias, quando o valor obtido na última amostragem for superior a 2 mil Escherichia coli ou quando existirem ocorrências que possam ocasionar risco à saúde dos banhistas.

As amostras são coletadas pelos técnicos da Fundação Municipal de Meio Ambiente e enviadas para o Laboratório de Microbiologia Ambiental da Universidade Federal do Tocantins (Lambio/UFT), onde as análises são realizadas. De acordo com os resultados obtidos, as Praias do Prata, das Arnos, Buritis e Graciosa apresentam condições adequadas para a recreação de contato primário.

A praia do Caju está passando por revitalização, por isso as coletas não estão sendo realizadas e o local está fechado para utilização. Antes da abertura da praia ao público o monitoramento da balneabilidade na praia do Caju será retomado. (Secom Palmas)