Polí­tica

Foto: Divulgação

Avança na Assembleia Legislativa do Tocantins Projeto de Lei substitutivo de número 20, de 31 de janeiro de 2017, de autoria da deputada estadual Luana Ribeiro (PDT) que declara as comidas típicas buchada, chambarí e paçoca de carne seca como Patrimônio Cultural e Gastronômico do Estado do Tocantins. 

O PL foi aprovado na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Casa, no último dia 29 de junho e deve ir a plenário, segundo informou a assessoria de imprensa da deputada, nas próximas sessões. 

Sobre a paçoca de carne seca, Luana justifica ser um dos alimentos mais tradicionais do Tocantins, que tem como vantagem a conservação de sua qualidade por vários dias, sem a necessidade de refrigeração. A Paçoca é feita com a carne bovina seca, cortada em cubos e frita em óleo quente, é socada no pilão, com temperos, como alho picado, sal a gosto e farinha de mandioca. A carne vai se desmanchando com o bater ritmado das mãos de pilão que se alternam com duas ou três pessoas batendo, conforme o tamanho do pilão, de 15 a 20 minutos.

Segundo PL, assim como a Buchada, o chambari, a paçoca de carne seca também pode ser encontrada em diversos pontos das rodovias, bares, praças e feiras populares por todo Estado. 

Ainda de acordo com justificativa, o chambarí, a panelada e a buchada, são pratos tradicionais das regiões Norte e Nordeste do País e no Estado, já fazem parte da alimentação cotidiana do Tocantinense e estão inseridos na cultura do Estado. O chambari é feito com uma parte do boi localizada acima da canela e abaixo do joelho, conhecido pelos italianos como 'ossobuco' (osso com buraco). A buchada é feita com as entranhas (rins, fígado e vísceras) do bode, lavadas, aferventadas, cortadas, temperadas e cozidas em bolsas, feitas com o próprio estômago do animal. A panelada, um cozido de peças de boi que resulta num prato pesado e saciante, à semelhança da dobradinha, de origem Nordestina.