Polí­cia

Foto: Ascom SSP

A Polícia Civil do Tocantins, por intermédio da 3ª Delegacia de Palmas, efetuou, no final da manhã desta última quinta-feira, 17, a prisão de Ednê S. de O.; 30 anos. Ela é acusada de ser a autora de dois crimes de homicídio e, foi presa na região Norte da Capital.

Conforme o delegado Hudson Guimarães Leite, responsável pelo caso, a mulher foi intimada a comparecer na 3ª DPC, a fim de prestar esclarecimentos sobre uma tentativa de homicídio sofrida por seu ex-marido, quando o homem estava na casa de Ednê. Na oportunidade, o homem foi atingido por um golpe de faca no peito, mas não soube dizer quem o havia atacado.

Após ouvir a mulher, o delegado, juntamente com a equipe de policiais civis da 3ª DPC, realizou uma busca sobre a vida pregressa da acusada e descobriu que havia dois mandados de prisão em aberto contra ela pela prática de dois homicídios, ocorridos, em 2006 e 2012. De imediato, o delegado deu cumprimento às ordens judiciais e, após os procedimentos legais, Ednê foi encaminhada para a carceragem da Unidade Prisional Feminina de Palmas, onde permanecerá à disposição do Poder Judiciário.

Os crimes

Segundo apontaram as investigações da Polícia Civil, em 2016, Ednê em companhia de um namorado, mataram um homem a golpes de faca, na região Sul da Capital. Após o crime, ela foi presa, julgada e condenada a uma pena de oito anos de reclusão. No entanto, depois de cumprir três anos da sentença, ela foi colocada em liberdade condicional, mas não cumpriu as condições impostas pela Justiça e deixou de comparecer as audiências. Desta maneira, a mulher foi considerada foragida da Justiça e teve sua prisão preventiva decretada.

No dia 2 de dezembro de 2012, no Setor Lago Sul, em Palmas, Ednê e mais dois comparsas, sendo um menor de idade, mataram a golpes de faca e facão, Wellington de Sousa Carvalho, após a vítima, supostamente, ter passado a mão nas nádegas da mulher. Por meio das investigações, a Polícia Civil elucidou o caso e descobriu que Ednê era uma das autoras do homicídio e, assim, foi decretado um novo mandado de prisão preventiva em desfavor da mulher.