Polí­tica

Foto: Divulgação

Uma ação conjunta de combate à criminalidade deflagrada na sexta-feira, 29, pela Polícia Civil do Tocantins, por intermédio da Delegacia Estadual de Investigações Criminais (DEIC- Palmas), nos Estados do Tocantins, Pará e Maranhão, resultou na prisão de sete pessoas suspeitas de integrar organização criminosa especializada em roubo a bancos e, que é suspeita de roubar uma agência bancária em Silvanópolis.

Conforme o delegado Wanderson Chaves Queiroz, titular da Deic, a operação foi deflagrada, simultaneamente, em Palmas/TO, Zé Doca/MA e Redenção/PA. Na Quadra 306 Sul, na capital do Tocantins, os policiais da Deic cumpriram mandados de busca e apreensão em duas residências que serviam de base para o bando e, na oportunidade, efetuaram a prisão de Raimundo B. da S., 45 anos, capturado, por meio de cumprimento de mandado de prisão preventiva e identificado como sendo um dos integrantes do grupo criminoso. 

Ao mesmo tempo, equipes da Deic e do Gote, do Tocantins, com apoio da PC do Maranhão prenderam, em Zé Doca – MA, Neysom R. da S., vulgo “Negão”, 38 anos e José R. P. M., além de mais quatro suspeitos pertencentes a mesma quadrilha.

Em continuidade às ações, no Pará, outra equipe da Polícia Civil do Tocantins, com apoio da PC daquele estado, efetuou a prisão de Ilana F. O., 27 anos, a qual foi capturada, na cidade de Redenção. Ela também possui envolvimento com a quadrilha de assalto a banco, mas na ocasião, foi presa por tráfico de drogas, uma vez que estava de posse de grande quantidade de entorpecente. 

Ainda de acordo com o delegado, a operação foi deflagrada após o sequestro da família do gerente da agência do Banco do Brasil de Silvanópolis, crime ocorrido em 10 de julho de 2017 na modalidade conhecida como “Sapatinho”.  “No decorrer das investigações, conseguimos identificar sete pessoas envolvidas nessa extorsão mediante sequestro e, nesta semana, nós descobrimos que dois dos suspeitos estavam em Zé Doca, reunidos com mais quatro comparsas, onde se preparavam para praticar outro crime naquela cidade, no mesmo estilo do roubo ao banco de Silvanópolis”, disse.

“Diante disso, nós representamos pela prisão preventiva de três indivíduos e nesta sexta-feira, efetuamos a prisão de José R. e Neysom, em Zé Doca. Na ocasião, José R., também foi preso em virtude do cumprimento de dois mandados de prisão oriundos do Estado de São Paulo e Mato Grosso, ambos pelo crime de homicídio”, pontuou.

No momento da prisão, os policiais civis encontraram armas pertencentes ao grupo e, desta forma, os sete homens foram autuados em flagrante pela prática do crime de posse ilegal de arma de fogo.

Raimundo B. da S. foi encaminhado à Casa de Prisão Provisória de Palmas, (CPPP), onde permanecerá à disposição do Poder Judiciário. José R. e Neysom foram recolhidos ao presídio de Zé Doca, onde ficarão à disposição da Justiça.

Ainda de acordo com o delegado, as investigações continuam a fim de localizar e prender o último envolvido no crime e que ainda está foragido. Durante a operação, a Deic contou com apoio da Delegacia Especializada na Repressão a Narcóticos (DENARC), do Grupo de Operações Táticas Especiais (GOTE) e da 4ª Delegacia Regional de Polícia Civil de Porto Nacional.

Para o delegado Wanderson, a ação foi muito proveitosa, porque além de elucidar o roubo a agência do BB de Silvanópolis e prender os autores do crime, por meio das investigações, a Polícia Civil do Tocantins conseguiu frustrar mais um roubo a banco, que iria ser praticado pela mesma quadrilha, na cidade de Zé Doca.

“Nosso planejamento tático e a união de esforços da DEIC – Palmas, Gote, Denarc, 4ª DRPC de Porto Nacional, com apoio das Polícias Civis do Maranhão e do Pará, foram preponderantes para o sucesso da operação, porque prendemos conseguimos identificar e prender os autores do crime, praticado no Tocantins, e conseguimos evitar que outro crime fosse praticado no Maranhão”, ressaltou o delegado. (SSP/TO)