Saúde

Foto: Nielcem Fernandes

Com intuito de fortalecer as ações de controle da hanseníase no Tocantins e controlar a hanseníase até o ano de 2023, a Secretária de Estado da Saúde em parceria com a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) está iniciando o processo de elaboração de um plano de reestruturação da rede de atenção integral ao paciente de hanseníase no âmbito do SUS. A ação dá continuidade a programação do janeiro Roxo que tem o objetivo reforçar o compromisso de controlar a hanseníase.

O plano possui seis eixos principais: A definição da linha de cuidado no tocante aos pacientes de hanseníase, a implantação da linha de cuidado nos municípios endêmicos e aqueles com baixa ou ausência de notificação de hanseníase, a implantação do plano de IEC (informação, educação e comunicação) de hanseníase para a população geral, a promoção de ações de educação permanente junto aos profissionais de saúde para controle e eliminação da hanseníase no Tocantins, o fortalecimento do sistema de vigilância epidemiológica e o fortalecimento da assistência ao paciente na atenção básica, média e alta complexidade.

“A gestão estadual tem voltado todos os esforços para a doença hanseníase, somos um Estado com muitos casos que faz divisa com outros Estados na mesma situação. Todos nós já tivemos contato com bacilo de Hansen, que transmite a doença, porém apenas 10% da população apresentarão os sinais e sintomas, e em muitos casos, não necessariamente tem a presença da mancha visível, apenas espessamento ou dor/choque nos nervos, confundindo com a sintomatologia de outras doenças neurológicas” destacou a Gerente das Doenças Transmissíveis, Hájussa Garcia.

Ainda segundo a gerente, a reestruturação da rede de atenção ao paciente no SUS desde é de extrema importância para que o paciente seja assistido com qualidade e eficiência, desde o momento do diagnóstico na unidade básica de saúde, do fornecimento do tratamento completo, acompanhamento dos casos, reabilitação física e cirúrgica, a confecção de calçados adaptados e órteses, a prevenção de incapacidades físicas, além da capacitação das equipes de saúde que atenderão esses pacientes.

Programação Janeiro Roxo

O dia mundial da campanha acontece sempre no último domingo do mês de janeiro, sendo lembrado neste ano, no dia 28 e têm como tema escolhido pela Sociedade Brasileira de Hansenologia (SBH) “Todos contra a Hanseníase”.

A Secretaria de Estado da Saúde (Ses-TO) realizou no último dia 20 e 21 de janeiro, no Hospital Regional de Paraíso (HRP) e no Hospital Geral de Palmas (HGP), o mutirão cirúrgico de hanseníase que possibilitou que pacientes, fossem beneficiados por cirurgias melhorando suas condições físicas e psicológicas. No HGP sete pessoas passaram pela cirurgia e em Paraíso, seis pessoas foram beneficiadas.

Além das cirurgias, do dia 29 janeiro ao dia 2 de fevereiro, o HGP irá intensificar as consultas ambulatoriais de hanseníase, com cinco consultórios exclusivos para atender casos de hanseníase.

Já no dia 19 de fevereiro o Tocantins irá receber a carreta da Novartis Brasil disponibilizada em parceria com o Ministério da Saúde, com um laboratório de diagnóstico da hanseníase e distribuição de remédio para o tratamento da doença. A carreta irá passar por 19 municípios para realizar consultas e diagnóstico da doença.

Dados

O Tocantins no ano de 2016 ficou como 1º colocado no ranking nacional com maior número de casos de hanseníase em adultos e na população com idade menor de 15 anos. Apesar de ser um dado preocupante, sinaliza que os casos estão sendo detectados e, consequentemente, tratados, diminuindo a circulação do bacilo e prevenindo as sequelas da doença. Os municípios que mais apresentaram casos foram: Palmas, Araguaína, Gurupi, Paraíso, São Valério da Natividade, Porto Nacional, Colinas, Guaraí, Santa Fé do Araguaia e Augustinópolis.

Já em 2017, o Tocantins apresentou um total de 1.411 casos diagnosticados, sendo 1.144 casos novos. Os municípios que apresentaram maior número de casos foram: Palmas, Araguaína, Santa Fé do Araguaia, Paraíso do Tocantins, Porto Nacional, Gurupi, Colinas, Recursolândia, Almas e Marianópolis.

Detecção e tratamento

A hanseníase é uma doença crônica, transmissível, de notificação compulsória, que tem como agente etiológico o Mycobacterium leprae. A doença acomete principalmente pele e nervos e sua transmissão se dá pelas vias aéreas superiores por meio de contato próximo e prolongado de uma pessoa suscetível (com maior probabilidade de adoecer) com uma pessoa doente sem tratamento.

A doença tem cura, e todo o tratamento é ofertado pelo Sistema Único de Saúde (SUS).