Campo

Foto: Iranilde Gonçalves Mais de 1.300 propriedades já foram visitadas em 87 municípios tocantinenses por técnicos Mais de 1.300 propriedades já foram visitadas em 87 municípios tocantinenses por técnicos

Mais de 1.300 propriedades já foram visitadas em 87 municípios tocantinenses por técnicos do Instituto de Desenvolvimento Rural do Tocantins (Ruraltins), em parceria com a Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia, Turismo e Cultura (Seden). Os técnicos são responsáveis pela realização do censo da piscicultura. O Censo teve início em outubro de 2017, e tem por objetivo dar formalidade aos piscicultores, fomentar e difundir toda a cadeia da piscicultura no Estado, além de disponibilizar dados concretos e confiáveis como subsídios, tanto para o Estado quanto para as empresas privadas e demais instituições interessadas no setor.

De acordo com Andrey Costa, gerente de Piscicultura do Ruraltins, os técnicos do órgão já finalizaram o censo nas regiões sul (14 municípios), sudeste (17 municípios) e na região central, com 59 municípios, já foram concluídos 70% dos trabalhos. A região central inclui Miracema (22 municípios), Porto Nacional (22 municípios) e Paraíso (15).

“O trabalho para a realização do Censo, é longo, requer tempo e disponibilidade. Todo levantamento para saber onde estão as pisciculturas, é feito por meio de imagem de satélite, disponibilizadas pela Embrapa, via cadastro feito pelo Ruraltins, nos municípios. Já visitamos mais de 1.300 propriedades e aplicamos até o momento, aproximadamente 500 questionários. Sabemos que o número de piscicultores no Estado é grande e muitas vezes encontramos as porteiras fechadas”, comentou  Andrey, que também destacou que os dados serão fundamentais e importantes ferramentas para quem está iniciando a criação e deseja investir ainda mais na produção, como também para os que já possuem uma maior área em produção. “Todas as atividades visam incentivar a produção e a busca de uma melhor colocação do estado, no ranking nacional de produção de pescado”, explicou.

Ainda de acordo com o gerente de piscicultura, entre os meses de março e abril, os extensionistas vão percorrer as demais regiões, como norte (49 municípios) e a conclusão da região central (59 municípios), tendo como meta encerrar as aplicações dos 1.500 questionários e visitas às 2.500 propriedades, até o final do mês de abril, com tabulação dos dados e apresentação durante a Agrotins, que acontece entre os dias 8 e 12 de maio.

Para José Coutinho, piscicultor na zona rural de Palmas, que atua na área de indução e reprodução de aproximadamente 4 milhões de alevinos por ano, especialmente das espécies nativas da região amazônica, o trabalho que o Ruraltins vem realizando é de grande importância para todos os piscicultores e para a cadeia produtiva como um todo.

“O trabalho do censo é essencial para poder mapear todas as áreas, verificar de fato o número de produtores existentes, o que estamos fazendo, além de avaliar o nível de tecnologia utilizada. Isso tudo facilitará o nosso trabalho, como também o próprio Ruraltins e as outras instituições interessadas”, comentou o piscicultor.

Ranking

Atualmente, o Estado ocupa o 15º lugar no ranking nacional. A expectativa é de que o Estado possa configurar entre os cinco maiores produtores do País, nos próximos 10 anos. Assim, o censo marca o início dessa estratégia de fortalecimento do setor.

Parcerias

Para a realização das atividades, o Ruraltins conta ainda com a parceria da Embrapa, que disponibilizou as imagens para o sensoriamento remoto e da Seden, que além de disponibilizar os recursos necessários, fará também a tabulação final e análise das informações coletadas. Todos os dados serão disponibilizados posteriormente e publicados nas redes sociais e por meio de revista técnica.

Por: Redação

Tags: Andrey Costa, Ruraltins, Seden, campo