Saúde

Foto: Divulgação

Representantes do Ministério Público Estadual (MPE) e da Associação das Mães que Amam (AMA) realizaram vistoria no Hospital Municipal de Araguaína, nesta quarta-feira, 4, para conferir se o cronograma de instalação da UTI Pediátrica, definido em audiência judicial, está sendo cumprido pelo Estado do Tocantins e pelo município de Araguaína. 

Uma das finalidades foi verificar se houve interrupção no processo de instalação do serviço hospitalar em decorrência da recente mudança de gestão do Governo do Estado.

Segundo foi constatado, os equipamentos da UTI já foram instalados e passarão pelo processo de calibração. Parte da equipe médica já está disponível e se encontra atualmente averiguando os fluxos e protocolos de atuação, bem como os fluxos para a realização de exames laboratoriais, de exames de imagem e para o suporte dos serviços de hemoterapia aos pacientes da UTI pediátrica.

Após a vistoria, foi marcada reunião para o próximo dia 12, a fim de aprofundar a discussão acerca da instalação da UTI pediátrica. Em audiência de conciliação realizada no início de março, no Juizado Especial da Infância e Juventude de Araguaína, foi estabelecido o mês de abril como meta para o início do funcionamento da Unidade de Terapia Intensiva.

Na vistoria desta quarta-feira, o Ministério Público foi representado pela promotora de Justiça, Araína Cesárea D'Alessandro. O secretário-executivo da Saúde de Araguaína, Sandro Rogério Cardoso de Paulo, e técnicos das secretarias de Saúde do Estado e do município acompanharam a vistoria.

Histórico

A instalação da UTI pediátrica em Araguaína é resultado de uma Ação Civil Pública ajuizada pelo Ministério Público Estadual ainda em janeiro de 2014, a qual teve sentença favorável proferida em abril de 2015.

Além de atuar na esfera judicial, o MPE, em conjunto com a Associação das Mães que Amam (AMA) e com a Loja Maçônica Paz e Concórdia, mobilizou a sociedade araguainense a realizar doações e a destinar parte do seu Imposto de Renda ao Fundo Municipal da Infância e Adolescência (FIA), com a garantia de que os recursos arrecadados serão aplicados na UTI pediátrica.