Cultura

Foto: Divulgação

O brilho e a beleza do capim dourado poderão ser conferidos na exposição "Capim Dourado: costuras e trançados do Jalapão", de 07 de agosto a 7 de setembro, no CNFC- Centro Nacional do Folclore e Culturas Populares, instituição que integra o Iphan-Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, no Rio de Janeiro.

A exposição é resultado de uma pesquisa que começou em abril deste ano, quando a pesquisadora Carla Belas e o fotógrafo Francisco Costa, do CNFCP, realizaram a documentação etnográfica e fotográfica da cultura do capim dourado, na região do Jalapão. "A partir do material coletado, foi produzido um catálogo e a montagem museolográfica da exposição, por profissionais em museologia", explica a pesquisadora. O trabalho foi realizado por meio da Fundação Cultural do Estado, onde a socióloga Eliane Castro de Souza, da diretoria de Patrimônio Cultural, participou do processo de pesquisa.

Segundo a coordenadora de Artesanato da Fundação Cultural do Estado, Leila Carvalho, com esta exposição no Rio fica aberto um canal para que as associações de artesãos possam mandar os seus produtos para serem comercializados na loja permanente de artesanato mantida pelo Museu no Rio de Janeiro.

Nesta exposição, participarão dois artesãos da região do Jalapão que irão mostrar para todos os visitantes a técnica desta arte.

Centro Nacional de Folclore

O Centro Nacional de Folclore e Cultura Popular busca acompanhar, em nível nacional, as constantes transformações na área de folclore e cultura popular. São desenvolvidos e executados programas e projetos de estudo, pesquisa, documentação e difusão de manifestações dos saberes e fazeres do povo. Essas atividades resultaram em um acervo museológico de 14 mil objetos, 130 mil documentos bibliográficos e cerca de 70 mil documentos audiovisuais.

Há também o projeto Sala do Artista Popular (SAP), que agrega valor a produções artesanais de todo o país por meio de um conjunto de produtos gerados por atividades de pesquisa. Os produtores, as matérias-primas utilizadas, os processos e os locais de produção do artesanato em capim dourado são descritos em catálogos etnográficos. Caso algum lojista do Rio de Janeiro ou outro local do país se interesse em adquirir peças para venda, recomenda-se que entre em contato direto com as associações ou os artistas, cujos endereços encontram-se disponibilizados na última página dos catálogos, editados por ocasião da inauguração de cada mostra.

 

Fonte: Assessoria de Imprensa Fundação Cultural

Por: Redação

Tags: cultura, Exposições