Meio Ambiente

 A crescente pressão do uso de áreas do Cerrado para plantações comerciais, criação de gado e produção de carvão pode contribuir para o predomínio de plantas apomíticas – cujas sementes são formadas sem fecundação –, resultando em um empobrecimento da biodiversidade no bioma, de acordo com estudos coordenados por Paulo Eugênio Oliveira, professor do Instituto de Biologia da Universidade Federal de Uberlândia (UFU).

Oliveira apresentou os primeiros resultados das pesquisas, que serão publicados em breve, durante o simpósio internacional “Biologia evolutiva e conservação da biodiversidade: aspectos científicos e sociais”, realizado nesta segunda-feira (10/11), na sede da FAPESP.

Segundo ele, estudos realizados há cerca de oito anos na Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, unidade da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, levantaram a hipótese de que a quantidade de plantas apomíticas no Cerrado seria muito maior do que o estimado.

“A partir dessa hipótese, fomos pesquisar e verificamos que de fato a apomixia parece ser bem freqüente em espécies do Cerrado – algo na ordem de 6% a 10% das plantas lenhosas. O problema é que, nas condições atuais de degradação de hábitat, com diminuição de fluxo gênico, o que podemos prever é que essas espécies apomíticas serão favorecidas”, disse Oliveira à Agência FAPESP.

Quando há apomixia, as plantas geradas são idênticas à planta mãe. “É um tipo de processo no qual a reprodução sexuada parece ocorrer, mas na verdade os embriões são clonais”, explicou.

Segundo Oliveira, os estudos anteriores sugeriam que a apomixia pode ser importante em termos de evolução, porque manteria o genótipo intacto, mesmo em condições de degradação ambiental. Isso seria importante para o futuro, porque as plantas poderiam se manter mesmo que toda a rede de polinizadores perecesse.

“Mas, ao mesmo tempo, a expansão dessas comunidades formadas crescentemente por espécies apomíticas terminaria reduzindo a capacidade de suporte de polinizadores e podemos imaginar que isso teria um impacto crítico sobre essas teias de interação – ainda que elas sejam resilientes em termos de impacto, como imaginamos”, disse.

Oliveira explica que, quando há um grande número de animais e plantas, o desaparecimento de uma delas não afeta tanto a teia de interações. Mas, à medida que muitas plantas somem, a teia provavelmente será empobrecida. “Se as plantas que permanecerem não oferecerem pólen nem frutos, haverá um empobrecimento geral de fauna associado a esse progresso das apomíticas”, disse.

“Meu estudo de doutorado já mostrava que a maior parte das plantas do Cerrado depende de polinização cruzada, com ocorre nas florestas tropicais, para formar frutos e manter populações auto-regenerantes. Elas acabam contribuindo para a manutenção de uma teia enorme de polinizadores e agentes dispersores. Mas agora sabemos que algumas dessas plantas são apomíticas”, destacou Oliveira.

Se as mudanças climáticas favorecerem as plantas apomíticas em detrimento daquelas que têm teias ricas de interação e dependem de polinização cruzada, isso poderá levar a uma mudança estrutural nas comunidades, que deverá empobrecer as teias de interação, segundo o professor da UFU.

“É uma mudanças de paradigma. Achávamos que a maior parte das plantas dependia de polinização cruzada e a conservação era importante em função disso. Mas, se temos tantas plantas apomíticas, a situação pode ser mais grave, já que o processo de degradação pode mudar a organização dessas comunidades, favorecendo a apomixia, com impacto em todos os níveis tróficos”, disse.

 

Fonte: Agência FAPESP

Por: Redação

Tags: apomíticas, Biologia, Cerrado, Clones, Meio Ambiente