Polí­tica

Foto: Divulgação

Aconteceu na manhã desta quinta-feira, 5, no pleno do Tribunal Regional Eleitoral, o julgamento que definiu a situação da candidatura de Walfredo Reis (DEM) à Assembleia Legislativa nas eleições deste ano. O ex-secretário da saúde de Araguaina teve suas contas públicas rejeitadas pelo Tribunal de Contas da União, referentes ao período que esteve à frente da pasta.

O julgamento começou na última sessão do TRE, porém foi paralisado após pedido de vistas do juiz eleitoral Hélio Miranda, que na sessão desta manhã optou por acompanhar o relator, juiz Francisco Gomes e indeferir a candidatura do político.

Outro voto contra a candidatura de Walfredo Reis foi o do juiz Marcelo Albernaz, que afirmou ser possível extrair da decisão do TCU o dolo por parte do candidato. De acordo com o juiz federal, “Certos tipos de condutas trazem intrínseca a ma fé”.

Após o voto de Albernaz, os demais juízes também acompanharam o relator do processo e a candidatura de Walfredo Reis foi impugnada pelo TRE.

Irajá Silvestre

Outra candidatura julgada no pleno do TRE na manhã desta quinta foi a de Irajá Silvestre (DEM), filho da senadora Kátia Abreu e candidato a deputado federal pelo mesmo partido.

De acordo com o relator do processo, desembargador Liberato Póvoa, Silvestre “não consta como aqueles que tiveram suas contas rejeitadas pelos tribunais de contas”, e votou favoravelmente à permissão da candidatura do filho da senadora.

Um fator que chamou a atenção no julgamento foi o pedido de Irajá para mudar seu nome e seu número de candidatura para concorrer às eleições deste ano. De acordo com Póvoa, o candidato entrou com pedido para se candidatar com o nome de Irajá Abreu, para ligar seu nome ao de sua mãe senadora.

Ambos os pedidos foram acatados por unanimidade pelos juízes do TRE.