Polí­tica

Foto: Divulgação

Em nota emitida à imprensa na manhã desta quarta-feira, 1º, o advogado da coligação Tocantins Levado a Sério, Juvenal Klayber, assumiu o erro no caso da denúncia-crime que envolveu o prefeito de Fortaçeza do Tabocão, João Batista de Oliveira (PMDB), na última terça-feira.

Na nota, o advogado afirma que esteve sozinho na presença do Procurador Geral Eleitoral. Contudo, esclarece que esteve com o prfeito João do Tabocão na sede da Polícia Federal, onde foi ouvido pelo delegado Hugo Hass.

O documento esclarece que o fato de a senadora Kátia Abreu (DEM) ter dado entrevista coletiva afirmando que o prefeito esteve junto com o advogado na PGE, foi um “lapso de informação de sua parte, repassada à senadora de forma incorreta”.

Entenda o caso

Na ocasião, a senadora Kátia Abreu (DEM) afirmou que Klayber esteve, juntamente com o prefeito, na presença do Procurador Geral Eleitoral para apresentar a denúncia-crime que tratava da compra do apoio do prefeito para a candidatura do deputado estadual Júnior Coimbra (PMD B) à Câmara Federal. A denúncia foi negada em seguida pelo prefeito, que afirmou não haver tal fato.

NOTA DE ESCLARECIMENTO

Em função de desencontros que têm surgido acerca da denúncia-crime protocolada pela senadora Kátia Abreu nesta terça na Procuradora Geral Eleitoral e na Superintendência da Polícia Federal, o advogado Juvenal Klayber esclarece que foi solicitado pela senadora Kátia Abreu a acompanhar o prefeito João Tabocão à Polícia Federal e à Procuradoria Geral Eleitoral.

Informa que ele, sozinho, entretanto, foi quem esteve com o Procurador Regional Eleitoral para formular a denúncia da tentativa de compra de apoio político do prefeito João do Tabocão, com autorização tácita do próprio prefeito, que não compareceu à audiência com o Procurador.

Esclarece também, por outro lado, o advogado, que esteve com o prefeito João do Tabocão, em seguida, na Polícia Federal, para fazer a mesma denúncia, quando este foi ouvido pelo delegado Hugo Hass.

O advogado deixa claro, também, que as declarações da senadora Kátia Abreu de que o prefeito esteve na Procuradoria Regional Eleitoral para fazer a denúncia ocorreram por um lapso de informação de sua parte, repassada à Senadora de forma incorreta, sendo ela induzida a erro. O advogado esteve, entretanto, com o Procurador Geral Eleitoral, a pedido do prefeito João Tabocão e da senadora Kátia Abreu, tratando da denúncia que queria ele, prefeito, formular, o que não altera a essência dos fatos elencados na denúncia-crime apresentada pela senadora Kátia Abreu nesta terça à PF e à Procuradoria Geral Eleitoral.